Em carta, Sarney diz que PF vai investigar empresa do neto

Presidente do Senado anexa à carta ofício em que pede para se apurar atuação da Sacris em empréstimos

Agência Brasil,

29 de junho de 2009 | 17h30

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), enviou carta aos 80 senadores para explicar a participação de seu neto José Adriano Cordeiro Sarney na intermediação de crédito consignado a servidores da instituição no HSBC. Sarney anexou à carta ofício encaminhado no dia 26 ao ministro da Justiça, Tarso Genro, pedindo que a Polícia Federal investigue todos os empréstimos intermediados pela empresa Sarcris, da qual José Adriano era sócio, bem como os das demais operadoras que atuam no Senado.

 

Veja também:

som Ouça o discurso de Simon pedindo afastamento de Sarney

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado

 

Na carta aos parlamentares, o presidente do Senado informou que a autorização da administração do Senado ao HSBC para que explorasse a concessão de empréstimos consignados foi dada em maio de 2005. Sarney lembrou que, naquele ano, não ocupava nenhum cargo na instituição.

 

"A empresa da qual é sócio José Adriano Sarney, a Sarcris, começou a operar em 11 de dezembro de 2007, portanto, dois anos depois da autorização", acrescenta o presidente do Senado na nota encaminhada aos colegas. Nas explicações, Sarney ressalta que, em fevereiro, quando assumiu a Presidência do Senado, a empresa do neto já não operava na Casa.

 

O senador anexou à carta enviada aos senadores as explicações encaminhadas por José Adriano ao jornal O Estado de S. Paulo, que publicou a matéria sobre a atuação da Sarcris no Senado. Os parlamentares receberam também a nota divulgada pelo HSBC e o ofício que Sarney enviou ao ministro da Justiça.

 

O HSBC informou, nessa nota, que a Sarcris foi cadastrada em 9 de maio de 2007 e registrada para operar no Senado em nome do banco em 11 de setembro do mesmo ano. "Entre o final de 2008 e fevereiro de 2009, o HSBC desativou todas as parcerias com aqueles seis correspondentes, inclusive a Sarcris", informou o banco.

Tudo o que sabemos sobre:
José Sarneyatos secretos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.