André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Em carta, Rosso prega 'união' na atual fase de campanha pela presidência da Câmara

Líder do PSD, derrotado na eleição pelo comando da Casa em julho, distribui documento a parlamentares no momento em que seu nome é apontado como candidato na disputa que vai eleger a Mesa Diretora para o biênio 2017-2018

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2016 | 17h35

BRASÍLIA - A 90 dias do início do processo que escolherá a Mesa Diretora que comandará os trabalhos da Câmara entre 2017 e 2018, o líder do PSD Rogério Rosso (DF), candidato derrotado à presidência da Casa na eleição de julho passado, já se movimenta de olho na eleição. O líder do PTB, deputado Jovair Arantes (GO), também começa a debater o tema.

Rosso preparou uma carta que está sendo enviada aos colegas. No documento, o líder do partido defende "um amplo entendimento" e pede que os parlamentares tenham "equilíbrio e união" para escolher seus representantes no próximo biênio. O deputado nega que o que chama de "carta da conciliação" seja um pré-lançamento de candidatura.

Na carta, o líder do PSD sugere que "juntos" os colegas saberão "construir os melhores caminhos do entendimento, do diálogo e da conciliação". O discurso está em sintonia com as últimas conversas dos líderes dos partidos que formam o Centrão - aliança de 13 siglas da base aliada na Câmara liderada por PP, PSD, PR e PTB. Na última semana, os deputados deixaram a reunião do grupo pregando discurso de que a base governista precisa buscar o consenso em torno de uma candidatura única para a sucessão do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

"Precisamos escolher, com segurança, objetividade, diálogo e transparência os nossos representantes que irão compor a nova Mesa Diretora e que devem estar preparados e capacitados para lidar com as legítimas demandas da sociedade, bem como dar prosseguimento ao conjunto de reformas e projetos fundamentais para que o Brasil possa voltar a crescer e a ser mais justo e competitivo, voltando a gerar empregos e boas oportunidades para a sociedade brasileira", diz a mensagem. "A coragem para mudar, modernizar e enfrentar as adversidades deverá estar presente e a valorização da ação parlamentar deve ser uma constante", destaca o deputado.

Rosso disputou com Maia a vaga surgida com a renúncia do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ao cargo. Nesta semana, Rosso acompanha Maia em uma missão oficial no Azerbaijão. O líder do PSD nega que sua intenção seja lançar-se candidato mais uma vez, mas seu nome é apontado como um dos possíveis substitutos de Maia a partir de 1.º de fevereiro de 2017.

Campanha. O PSDB deve lançar candidato na disputa pelo comando da Câmara, enquanto o próprio Maia busca uma brecha jurídica para se manter no cargo, uma vez que a legislação o impede de concorrer à reeleição.

Embora fale em candidatura única, o Centrão, que foi derrotado no pleito anterior, também busca um nome que represente o grupo. Um dos cotados é o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), que reúne nesta terça-feira alguns aliados em sua residência para discutir a sucessão na Câmara.

Entre os tucanos, os nomes que circulam são do líder da bancada, Antonio Imbassahy (BA), do paulista Carlos Sampaio, e do ministro das Cidades, Bruno Araújo (PE), licenciado da Câmara. Já o PT, segundo maior partido da Casa, ainda não definiu se terá um nome próprio na disputa ou se apoiará um candidato de outro partido

Tudo o que sabemos sobre:
Jovair ArantesRodrigo Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.