Em carta, Dulci diz que não quer integrar governo Dilma

Ministro-chefe da Secretaria Geral afirmou considerar cumprida sua missão durante os oito anos de governo Lula

Eduardo Kattah, de O Estado de S.Paulo,

23 de novembro de 2010 | 17h38

BELO HORIZONTE - Indicado como um dos ministeriáveis do PT-MG para o governo Dilma Rousseff, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Dulci, encaminhou carta ao diretório estadual do partido na qual declinou da disputa por qualquer cargo no futuro governo. A carta foi lida pela secretária de Finanças do PT mineiro, Gleide Andrade, durante reunião da Executiva Estadual, na noite de segunda-feira.

 

Veja também:

 

linkCresce tendência para que Palocci ocupe a Secretaria Geral da Presidência

 

No texto encaminhado para o smartphone da secretária, o ministro agradeceu a lembrança, mas disse que considera que já cumpriu sua missão durante os oito anos do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Dulci é o último remanescente do chamado "núcleo duro" do atual governo e sempre foi apontado como o principal ghost writer dos discursos do presidente. Correligionários acreditam que o ministro poderá continuar ao lado de Lula a partir 2011.

 

No atual governo, o mineiro tem como missão principal a interlocução com os movimentos sociais. Na administração Dilma, contudo, a expectativa é que a Secretaria-Geral da Presidência passe a cuidar da relação do governo com Estados e municípios. Para comandar essa pasta anabolizada fala-se no ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci.

 

Dulci chegou a ser incluído numa lista elaborada pelo PT-MG com nomes do diretório estadual para ocupar o primeiro escalão na gestão Dilma. "Ele mandou uma carta falando que não concorda, que não discute espaço (no futuro governo). Ele declinou, está fora", disse o deputado federal Miguel Correia - integrante de uma comissão do PT mineiro que ontem (23) se reuniu em Brasília com o presidente nacional do partido, José Eduardo Dutra, para discutir a transição.

 

Com a negativa de Dulci, foram apresentados os nomes do ex-ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, do ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, e do deputado federal Virgílio Guimarães, todos derrotados na eleição majoritária em Minas.

 

"Foi uma conversa fraterna", afirmou Correia. "Apresentamos os nomes que consideramos aptos a ocuparem espaços no governo."

 

Nos bastidores, os petistas mineiros admitem, porém, que enfrentam dificuldades para emplacar representantes na Esplanada dos Ministérios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.