Em carta, deputados dos EUA defendem parceria com Brasil

A cooperação na área de biocombustíveis entre Brasil e Estados Unidos é uma parceria do tipo em que os norte-americanos só têm a ganhar, segundo os termos de uma carta enviada ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, assinada pelo deputado democrata Eliot Engel, presidente do subcomitê do Hemisfério Ocidental do Congresso, e pelo republicano Dan Burton, que integra o mesmo subcomitê.O documento louva o presidente por "seus esforços em dar início a uma vasta cooperação na área de biocombustíveis e energia alternativa com o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva".O texto descreve essa iniciativa como "exatamente o tipo de parceria na qual os Estados Unidos ganham ou ganham." A carta diz que essa cooperação "pode ajudar a estreitar as relações entre o país e a América Latina nos próximos dois anos de sua presidência e até depois disso." O tema deve ser debatido durante a visita do presidente Bush ao Brasil no próximo dia 8 de março, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva aos Estados Unidos no dia 31 do mesmo mês.Brasil e Estados Unidos respondem juntos por 70% do mercado mundial de etanol. O produto norte-americano é produzido a partir de milho, ao passo que o brasileiro é feito de cana de açúcar.DiscriminaçãoDurante uma audiência realizada no Congresso norte-americano sobre a política dos Estados Unidos para a América Latina, Eliot Engel afirmou que "os norte-americanos podem aprender muito com o Brasil na frente dos biocombustíveis.""O presidente Lula vai estar trabalhando conosco nessa área. E nós esperamos que essa parceria cresça," acrescentou Dan Burton.Mas o Brasil não foi somente coberto de elogios durante a audiência. O democrata Donald Payne, que é negro, disse que a população afro-brasileira do país sofre forte discriminação."O Brasil é o lar de 75 milhões de descendentes de africanos. É o dobro da proporção dos Estados Unidos, mas ainda existem por lá muitas disparidades raciais. E essa população segue sendo marginalizada," afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.