Andre Dusek/ESTADAO
Andre Dusek/ESTADAO

Em carta, Kassab alega que permanência no ministério era 'insustentável'

Ex-ministro das Cidades afirma à presidente que não poderia ir contra decisão da maioria do seu partido, o PSD, favorável ao impeachment

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2016 | 10h46

BRASÍLIA - Em carta de demissão encaminhada à presidente Dilma Rousseff, o agora ex-ministro das Cidades Gilberto Kassab afirma que sua permanência na pasta ficou “insustentável” após decisão da maioria do partido em apoiar o impeachment. A definição da bancada da Câmara do PSD pelo apoio ao afastamento de Dilma ocorreu na última quarta-feira, 13.

Já o pedido de demissão de Kassab ocorreu na sexta-feira, 15, apenas dois dias antes da votação do processo de afastamento da petista, prevista para ter início às 14 horas deste domingo. O dirigente ocupava o cargo desde janeiro do ano passado, quando teve início o segundo mandato de Dilma.

“Assim, minha participação como ministro é, além do convite feito por V.Exa., resultado de decisão coletiva, fruto da manifestação de todos os Diretórios Estaduais, do Diretório Nacional e das bancadas da Câmara Federal e do Senado. Ocorre que, como relatei pessoalmente a V.Exa. em recente conversa no Palácio do Planalto, o PSD decidiu, por maioria absoluta da nossa bancada federal, recomendar o voto pelo acolhimento do processo de impedimento que tramita junto à Câmara dos Deputados”, diz trecho da carta, publicada no perfil de Kassab no Facebook.

“Diante disso, minha permanência à frente do Ministério das Cidades é insustentável, conflita com a decisão do meu partido e me leva a abrir mão do cargo, independentemente do resultado da votação do próximo domingo”, acrescenta.

No documento, Kassab, que estava como presidente licenciado do PSD, afirma da necessidadade da realização de um “pacto social” para o que o Pais supere a atual crise política e econômica. No final da carta, o dirigente diz ter convicção da “integridade pessoal” de Dilma e da “serenidade diante de tantas adversidades”.

Veja a íntegra da carta de demissão de Gilberto Kassab entregue à Dilma.

“Brasília, 15 de abril de 2016.

Prezada Presidente Dilma Rousseff,

Como é de seu conhecimento, além de Ministro sou representante do Partido Social Democrático – PSD (hoje presidente licenciado). Assim, minha participação como ministro é, além do convite feito por V.Exa., resultado de decisão coletiva, fruto da manifestação de todos os Diretórios Estaduais, do Diretório Nacional e das bancadas da Câmara Federal e do Senado. 

Ocorre que, como relatei pessoalmente a V.Exa. em recente conversa no Palácio do Planalto, o PSD decidiu, por maioria absoluta da nossa bancada federal, recomendar o voto pelo acolhimento do processo de impedimento que tramita junto à Câmara dos Deputados. 

Diante disso, minha permanência à frente do Ministério das Cidades é insustentável, conflita com a decisão do meu partido e me leva a abrir mão do cargo, independentemente do resultado da votação do próximo domingo.

Como V.Exa. já reconheceu, há necessidade premente de um pacto nacional para que o País possa superar suas dificuldades políticas e retomar seu desenvolvimento. O PSD não apenas concorda, mas apóia e lutará com todas as suas forças por esse consenso. Agiremos na Câmara e no Senado com esse propósito.

Agradeço a V.Exa. a oportunidade de ter desenvolvido ao seu lado políticas públicas e projetos sociais essenciais ao País e declaro meu comprometimento permanente com programas como o Minha Casa, Minha Vida. A continuidade administrativa é um valor fundamental na garantia de direitos e a melhor forma de defender o legado dos governos. Ser ministro de Estado do meu país foi uma honra e um privilégio na minha vida pública.

Nosso partido, o PSD, é claramente a favor de um País cada vez mais justo e democrático. Defendemos com vigor a convivência e harmonia entre as diferentes posições como garantia da governabilidade. Portanto, seguiremos trabalhando para a construção de consensos que permitam ao País atravessar mais esse momento instável, sempre com respeito à Constituição e aos valores republicanos.

Tenho convicção da sua integridade pessoal, de seu compromisso democrático com nosso País e de sua serenidade diante de tantas adversidades. Despeço-me na certeza que o Brasil sairá mais forte e unido desse processo.

Atenciosamente,

Gilberto Kassab”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.