Pedro Venceslau/Estadão
Pedro Venceslau/Estadão

Em carreata em Belém, Bolsonaro exalta general que defendeu intervenção militar

Pré-candidato à Presidência, deputado pediu 'salva de palmas' a Mourão, criticou nudez em exposições e defendeu liberação do porte de armas

Pedro Venceslau, Enviado Especial

05 de outubro de 2017 | 17h43

BELÉM - Pré-candidato à Presidência da República, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) fez um discurso exaltado num carro de som em frente ao aeroporto de Belém nesta quinta-feira, 5, no qual defendeu a liberação do porte de armas para toda população, criticou a nudez em exposições e pediu uma "salva de palmas" ao general Antonio Mourão, que recentemente causou polêmica ao defender em público a intervenção militar.

"O Brasil precisa que a inocência das crianças seja respeitada. Comigo, não vai ter essa história de gastar dinheiro público com picaretas, como fizeram nessas exposições de São Paulo e Porto Alegre", disse Bolsonaro. Em outro momento de seu discurso, o deputado defendeu a "flexibilização" do porte de armas.

+++ Interação de criança com homem nu gera polêmica após abertura de exposição no MAM

+++ Temer, Doria e Bolsonaro disputam fiéis em evento religioso

"Vamos flexibilizar muito o porte de arma no Brasil. Comigo não vai existir o politicamente correto. Vocês terão armas de fogo." Bolsonaro também exaltou a Polícia Militar em sua fala. Uma multidão se reuniu no aeroporto de Belém para receber o deputado. A manifestação causou tumulto no aeroporto e paralisou o trânsito no entorno.

+++ Anfitrião de Bolsonaro em Belém, deputado do PSD defende intervenção militar

Os manifestantes puxaram palavras de ordem contra Lula, o PT, Michel Temer e o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ). Após o discurso, o carro de som com Bolsonaro seguiu em carreata pelas ruas de Belém até um auditório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.