Em campanha no Nordeste, Alckmin critica Lula

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, acusou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de não investir no Nordeste, seu principal reduto eleitoral, e o desafiou a apontar pelo menos uma obra realizada por seu governo no Ceará. "É só promessa, não tem nada", atacou. Alckmin disse que a região foi muito prejudicada no governo do PT e prometeu, se eleito, fazer parceria com o setor privado para desatar os grandes "nós" de infra-estrutura e logística no Nordeste.Em vários momentos de sua visita a Juazeiro do Norte e Crato, duas cidades da região do Cariri, Alckmin disse que pretende atrair o setor privado para que, junto com o público, ajude o País a crescer. Ao dar ênfase à parceria público-privada, apontando-a como uma fórmula para a construção da Ferrovia Transnordestina, o tucano deixou claro que não pretende privatizar o Banco do Brasil nem outras estatais."O caminho que vejo é trazer o setor privado para investir junto com o governo", afirmou, acrescentando que o governo Lula investiu pouco em infra-estrutura. "Não tem obra porque não tem investimento e com o pouco dinheiro que tem ainda desperdiça. Vamos recuperar os investimentos públicos e atrair os privados." Alckmin apontou como "eleitoreira" a operação tapa-buraco lançada pelo governo no final do ano passado para realizar obras de emergência nas estradas: "Não resolveu nada."Ataques intensosNa tentativa de desgastar a imagem de Lula no Nordeste e arranhar seu prestígio popular, os tucanos usaram à exaustão a estratégia de criticar a falta de obras federais na região. Alckmin disse que esse foi o principal assunto de sua recente visita ao Rio Grande do Norte e motivou até uma aposta entre os políticos locais. Ninguém, provocou o tucano, conseguiu identificar uma obra feita por Lula na região durante seus mais de três anos de governo.Foi essa a tônica dos discursos de Alckmin e do presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), no Crato para militantes, líderes políticos da região e empresários. Ao falar, Tasso se dirigiu à platéia e gritou: "Digam uma obra feita pelo Lula no Nordeste! Digam!" Ninguém respondeu. "Cadê?", insistiu. Alguém gritou: "Só tem roubo!" Sob aplausos, Tasso continuou provocando: "Não tem nada. É tudo mentira. De verdade só tem mensalão. Cuecão. E por aí vai."Além de cobrar realizações de Lula no Nordeste, Alckmin procura montar na região uma estrutura política capaz de enfrentar o favoritismo de Lula. Negocia a ajuda de governadores e de máquinas políticas locais na maioria dos Estados. Com suas visitas, o tucano busca se tornar conhecido e apresentar propostas para a região. Ontem, ele afirmou ser favorável à recriação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), idéia já aprovada no Senado, mas à espera de votação Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.