Em Camp David, Lula e Bush fazem 2º encontro em um mês

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, receberá neste sábado o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Camp David, quando retomam a discussão para o uso hemisférico do etanol e a retomada da Rodada Doha de comércio. Lula vai para os EUA nesta sexta-feira, após evento em Recife, Pernambuco.Na chegada, Bush conduzir Lula em um carrinho de golfe até o bangalô onde terão encontro oficial. A secretária de Estado dos EUA, Condoleeza Rice, deverá conduzir outro carrinho de golfe levando o embaixador do Brasil nos EUA, Antonio Patriota. O encontro está previsto para as 16 horas, sendo que em seguida os líderes concedem uma entrevista à imprensa. Às 18h30, mais cedo do que o costume brasileiro, Bush oferece um jantar. A previsão é de que Lula embarque de volta ao Brasil às 20h35 (horário local), na Base Aérea de Andrews.Além de ressaltarem os laços na busca para tornar o etanol uma commodity mundial em alternativa ao petróleo, Bush e Lula devem ainda anunciar parcerias de ajuda e fortalecimento da democracia na África e assinar acordos de cooperação na área de educação. Eles também devem anunciar um acordo para o compartilhamento de informações entre os fiscos que ajudaria, por exemplo, a combater a lavagem de dinheiro, além de discutir formas para evitar a bitributação entre ambos países.Haiti e outros paísesO encontro, o segundo em menos de um mês, deverá consolidar um novo modelo de parceria entre os dois países. Em vez de acordos bilaterais, a aposta de Brasília se concentra na ação conjunta em favor de outros países, sobretudo os da América Central, do Caribe e da África. Na órbita do novo modelo está incluída a atuação Brasil-EUA para fortalecimento da democracia em Guiné Bissau e para o combate à malária em São Tomé e Príncipe, bem como a parceria para a reconstrução do Haiti. "Vamos construir esse novo paradigma de cooperação na nossa política exterior. Não só com os Estados Unidos, mas com outros países desenvolvidos", resumiu o embaixador Everton Vargas, em entrevista ao Estado, referindo-se a acordos recentemente celebrados com a Alemanha e a Itália. Na área de educação, Bush e Lula deverão assinar dois memorandos - para intercâmbio de pesquisadores, sobretudo da área de biocombustíveis, e a renovação de parceria para o reforço do ensino profissionalizante no Brasil. Ambos também lançarão o Fórum de Executivos Brasil-EUA, com o objetivo de promover o diálogo entre os setores empresariais dos dois países.Memorandos de cooperaçãoO ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, chega a Washington na manhã desta sexta-feira, para se encontrar, às 11h30, com a secretária Condoleezza. Eles tratarão da parceira em favor de terceiros países, selando acordos prévios de cooperação para o fortalecimento institucional do Poder Legislativo em Guiné Bissau - país que enfrenta sucessivos golpes desde sua independência, em meados dos anos 70 - e sobre a cooperação entre centros de pesquisa brasileiros e americanos para o combate à malária.Para as 15 horas, está prevista entrevista coletiva de Amorim, quando o ministro brasileiro deve apresentar, os resultados de uma reunião técnica ocorrida na última quinta-feira no Departamento de Estado sobre a cooperação Brasil-Estados Unidos na produção de biocombustíveis.Às 16 horas, o chanceler brasileiro terá que tratar do delicado tema da retomada da Rodada Doha, da Organização Mundial do Comércio (OMC), em encontro com a representante dos EUA para o Comércio, Suzan Schwab. Após esse encontro, Amorim recebe o presidente Lula, na Base Aérea de Andrews. Lula deve chegar a Washington nesta sexta-feira e dormir na residência oficial norte-americana reservada para receber chefes de Estado, a Blair House, localizada em frente à Casa Branca. (Colaborou Denise Chrispim Marin)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.