Em busca do discurso perdido

O governo já se recuperou do baque, mas o PT ainda chora lágrimas de esguicho por causa da derrubada da CPMF. Não por causa dos R$ 40 bilhões de arrecadação perdidos. Para o partido isso é o de menos, página virada.Pior de tudo, na avaliação do PT, foi o avanço do discurso da oposição sobre o papel, o tamanho e os gastos do Estado.Preocupados exclusivamente com a disputa de votos no Congresso para assegurar a renovação do imposto do cheque, os petistas hoje acham que se esqueceram da sociedade. Encolheram-se, abstiveram-se de defender sua posição não apenas a respeito da CPMF em si, que o partido continua achando um imposto justo depois de ter feito a revisão de posições da época em que era oposição, mas, sobretudo, sobre a relação entre o que o Estado cobra e o que devolve ao cidadão em matéria de serviços.Resultado, o que o PT chama de "agenda neoliberal" ganhou espaço na opinião pública e, se não houver uma reação, muito provavelmente vai avançar ainda mais e pode virar mote bem-sucedido nas eleições. De 2008 e 2010.Daí a decisão do Diretório Nacional do partido de começar uma ofensiva para recuperar o terreno antes que ele esteja irremediavelmente perdido.Na interpretação dos petistas - que não dizem isso em público para não dar cartaz ao adversário -, a oposição, notadamente o DEM, foi muito competente ao estabelecer o "diálogo" com a sociedade naqueles termos, porque conseguiu passar a idéia de que a falta da CPMF obrigaria o governo necessariamente a conter gastos.O correto, do ponto de vista petista, teria sido enfrentar a discussão em outras bases, defendendo a justiça de determinados impostos, entre eles a CPMF, e a necessidade de ter dinheiro para financiar a máquina em prol da sociedade.Por causa dessa constatação foi que o PT voltou a falar na recriação da CPMF mesmo depois de o governo já ter descartado essa hipótese, por concluir que seria perda de tempo e energia: seria derrotado outra vez.Essa é a lógica do governo, a vitória ou derrota no Congresso. A do PT, agora, é outra: a da disputa da tese "antineoliberal" (há dificuldade no partido em nominá-la "socialista") na opinião pública.Essa perda de discurso poderia, então, ser comparada ao que ocorreu com os tucanos na campanha eleitoral de 2006, quando deixaram o PT atacar as privatizações, ganhando a guerra da comunicação sem defender um projeto por eles mesmos implementado?Até poderia, dizem os petistas, mas acham que o partido ainda foi mais fraco que o PSDB. Porque entre os tucanos, lembram, havia discórdia quanto aos meios e modos privatizantes. No PT não havia, nem há, tensão quanto à predileção pelo Estado provedor e, para isso mesmo, gastador.Ocorreu, na avaliação interna, o que precisa deixar de acontecer: uma submissão total às urgências táticas do governo e um abandono geral das necessidades estratégicas do partido.Nicho de riscoHá, no Palácio do Planalto, duas versões sobre emendas parlamentares ao Orçamento. Uma, para consumo externo nas relações com os partidos aliados, reza que são instrumentos perfeitamente legítimos e imunes a irregularidades, configurando-se, por isso, uma injustiça as críticas à avidez dos parlamentares pela liberação dos recursos.Outra, internamente, considera que isso é verdade no que tange às emendas individuais, cuja execução passa pelo crivo de uma boa fiscalização. Mas não é fato no que concerne às emendas de bancada, as chamadas coletivas, onde residem as brechas (imensas) para os desvios de finalidade.Houve recentemente um ensaio para acabar com elas, mas a reação foi tamanha no Congresso que se optou por conviver com o potencial nicho de corrupção. Um risco permanente.Batata quenteO grupo do governador José Serra, incluído aí o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mudou o discurso sobre a candidatura de Geraldo Alckmin à Prefeitura de São Paulo.Serra deixou de bater em ponta de faca e passou a responsabilidade para Alckmin quando disse que ele será candidato "se quiser".Em 2006, coube a Serra resolver se sairia ou não candidato a presidente da República. Avaliou que não era negócio, perderia e ainda entraria na disputa com o PSDB de São Paulo em guerra.Agora, cabe a Alckmin avaliar os riscos. Se errar, pode comprometer o projeto tucano para a Presidência, cujo pressuposto básico é a manutenção do controle da prefeitura, não deixando o PT recuperar sua maior vitrine depois do Planalto.Precisará pesar, medir e decidir se sua candidatura é um ônus ou um bônus para o plano de retomada da Presidência da República em 2010.O ex-governador, evidentemente, não quer chamar a si sozinho essa decisão. Repete que a candidatura não é um "projeto pessoal" e sim do partido. Mas a batata incandescente está posta em suas mãos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.