Em busca de nome ‘novo’, Kassab corteja Meirelles

Ex-presidente do BC integra lista do prefeito de São Paulo, junto com Afif e Eduardo Jorge, para disputar sua sucessão em 2012

Julia Duailibi e André Mascarenhas, de O Estado de S. Paulo

21 de março de 2011 | 23h00

Em busca de um nome "novo" para disputar a Prefeitura de São Paulo em 2012 e defender o seu legado na administração da maior cidade do País, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, tem cortejado o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (PMDB).

 

O prefeito manteve conversas recentes com o economista. Chegou a sondá-lo para tocar uma agência de desenvolvimento a ser criada na cidade. Meirelles, no entanto, não aceitou a missão, já que estava no seu radar ocupar a Autoridade Pública Olímpica (APO), após convite feito pela presidente da República, Dilma Rousseff (PT).

 

Aliados do prefeito, no entanto, viram como uma vitória Meirelles ter voltado para a presidência da associação Viva o Centro. Na semana passada, o ex-presidente do Banco Central tomou posse na entidade, num evento que contou com a presença de Kassab e de vários secretários da Prefeitura. Na ocasião, Meirelles falou sobre o centro da cidade e demonstrou conhecimento sobre questões de São Paulo.

 

"É um ganho extraordinário para o município e o nosso centro, pois ele traz a experiência de uma carreira cujo último cargo foi a presidência do Banco Central. Fiz questão de vir aqui juntamente com o secretariado da Prefeitura para prestigiá-lo e dizer para ele contar conosco para, juntos, fazermos uma cidade cada vez melhor. E ela jamais será melhor se não tivermos um centro melhor", disse o prefeito, na posse de Meirelles na entidade.

 

Meirelles é visto como um bom nome por ter um perfil de administrador e ser uma novidade eleitoral em São Paulo. Caso o cortejo a Meirelles funcione, haveria duas possibilidades: o PMDB coligar-se ao PSD (Partido Social Democrático), legenda a ser criada pelo prefeito ou o ingresso na nova sigla.

 

O prefeito tem boa relação com o PMDB, principalmente com o vice-presidente da República, Michel Temer, que teria interesse em lançar um nome forte de seu partido em São Paulo.

 

Kassab, no entanto, só trabalha com um nome alternativo em São Paulo caso o ex-governador José Serra (PSDB) não queria mesmo disputar a Prefeitura.

 

Nomes. Durante o lançamento do PSD, nessa segunda-feira, 21, na Assembleia, o prefeito disse que a sua nova legenda disputará a eleição de 2012 e admitiu trabalhar com três nomes para a candidatura: o vice-governador Guilherme Afif Domingos, o ex-secretário estadual Francisco Vidal Luna (Planejamento) e Eduardo Jorge, secretário municipal do verde.

 

"Convidei três companheiros de governo para refletirem em relação a uma candidatura a prefeito. Os três já disseram que não têm essa predisposição". afirmou Kassab sem citar Meirelles.

 

Logo depois afirmou que, caso nenhum dos três aceite, buscará uma pessoa com perfil parecido com o dos "convidados": "Eu vou trabalhar para que um deles aceite essa missão. Mas, caso nenhum dos três aceite, o que posso afirmar é que será alguém com esse perfil: primeiro que acredite neste governo, que possa motivar a equipe a apoiá-lo e que possa mostrar para a equipe que teremos um candidato para defender nossa gestão e dar continuidade a nossa gestão".

 

Em dezembro de 2009, Meirelles filiou-se ao PMDB de Goiás. Entre 1991 e 2003, ele foi presidente do Viva o Centro, entidade que ajudou a criar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.