Em blog, Protógenes se defende de acusações de revista

Delegado que conduziu a Operação Satiagraha nega ter investigado ilegalmente ministros do governo Lula

Andréia Sadi, do estadao.com.br

09 de março de 2009 | 11h00

O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz negou, em seu blog, que tenha investigado ilegalmente ministros e ex-ministros do governo Luiz Inácio Lula da Silva no material da Operação Satiagraha, que prendeu e depois levou à condenação do banqueiro Daniel Dantas, conforme reportagem publicada pela revista Veja desta semana.   Veja também: Operação Satiagraha As prisões de Daniel Dantas Os alvos da Operação Satiagraha   "Os dados cobertos pelo sigilo coletados com autorização judicial e de conhecimento do Ministério Público Federal, em nenhum momento incluiu ou revelou a participação da Exma. Ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, do ex-ministro José Dirceu, do Chefe de gabinete da Presidência da República Gilberto Carvalho, do Senador Heráclito Fortes, do Senador ACM Jr., do Ministro Roberto Mangabeira Unger na investigação da Satiagraha", diz o blog nesta segunda-feira, 9.   Segundo a revista, o delegado, que comandou a primeira fase da operação Satiagraha, teria espionado  ilegalmente a intimidade de várias autoridades, dentre elas os ministros citados no blog, o governador paulista José Serra (PSDB),  senadores, deputados e outros.   Protógenes alega também que em seu apartamento no Rio não foi apreendido computadores contendo "material clandestino" da Operação Satiagraha, como cita a reportagem, chamada de "mentirosa" pelo delegado.   "É importante afirmar que em minha residência no Rio de Janeiro não foi apreendido nenhum documento ou material, nem tampouco computador contendo dados da operação Satiagraha, conforme se comprova no auto de busca e apreensão na ocasião da diligência".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.