Em BH, Lacerda vê ''associação criminosa'' ao lado de Quintão

Ele diz que adversário usa ?métodos fascistas? ao distribuir panfletos apócrifos em jogo de futebol e usar hackers para tirar seu site do ar

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

21 de outubro de 2008 | 00h00

O candidato do PSB a prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, acusou ontem a campanha de Leonardo Quintão (PMDB) de utilizar métodos fascistas para vencer a disputa municipal e disse que uma "associação criminosa" está atuando com o peemedebista. Ao participar pela manhã de um encontro com estudantes, Lacerda disse ainda que há "quadrilheiro" na campanha adversária.Na madrugada do último domingo, o site oficial do candidato do PSB foi atacado por hackers e a coordenação da campanha atribuiu a ação a uma "estratégia desonesta e antidemocrática dos adversários". No debate na TV Record, Lacerda acusou a campanha de Quintão de distribuir milhares de panfletos apócrifos no estádio Mineirão, durante o clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro."Quem distribui panfletos anônimos no Mineirão fazendo acusações falsas a mim, quem invade o meu site e o derruba, para mim, isso é quadrilha. É crime, tem de ser punido. E não é gente trabalhando isoladamente não, isso é associação criminosa", disse. "É método fascista. De quem quer dar golpe."Quintão tem negado com veemência qualquer vinculação com esses fatos. Mas Lacerda mantém a artilharia e cola no adversário o rótulo de direita. "Sempre que a direita quer fazer tramóia, lança documento falso, faz armação de distúrbios. A esquerda não faz isso."?DIREITA RADICAL?A estratégia de vincular Quintão à "direita radical" vem sendo explorada desde a semana passada, após o peemedebista declarar que Lacerda foi preso durante o regime militar por ser um "assaltante" comum. Ex-militante comunista, o candidato do PSB aderiu à Aliança Libertadora Nacional e foi preso no final da década de 1960, permanecendo encarcerado durante quatro anos.A Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa fez ontem uma reunião extraordinária - com militantes e ex-presos políticos, incluindo o prefeito da capital, Fernando Pimentel (PT) - em repúdio à declaração do peemedebista. Apesar de estar sendo vinculado à direita, Quintão tem aparecido no programa eleitoral ao lado da deputada e candidata do PC do B Jô Moraes, derrotada no primeiro turno. Ela explicou a opção no segundo turno e pediu votos para o candidato do PMDB. "Eu tenho coerência, eu fiquei do lado da turma que está junto do presidente Lula", disse a líder do PC do B na Câmara. "Sinto orgulho de estar aqui com o partido do presidente José Alencar, com o PT coerente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.