Em BH, Dilma promove Pronatec durante visita

Entrevista com imprensa atrasou porque estudantes queriam tirar selfies com presidente

SUZANA INHESTA, CORRESPONDENTE, E MARCELO PORTELA, Estadão Conteúdo

20 de agosto de 2014 | 20h01

BELO HORIZONTE - Em sua segunda visita à capital mineira após o início oficial da campanha eleitoral, a presidente Dilma Rousseff exaltou nesta quarta-feira, 20, feitos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Segundo ela, há três dias o programa atingiu, no País, 8 milhões de alunos matriculados. "A meta era chegar a 8 milhões em dezembro, mas, dado o sucesso do programa, que foi uma parceria bem-sucedida, vamos atingir, na continuidade dele, 12 milhões de matriculados. Até 2018, serão 20 milhões de matriculados", declarou à imprensa, após visitar as instalações do câmpus Horto do Senai, que tem cerca de 11 mil alunos, cerca de 5 mil dentro do Programa.

Ela destacou que a grande vantagem do Pronatec é que ele é gratuito. "O Brasil vai entrar em um novo ciclo de crescimento e as coisas estão sendo plantadas. O Pronatec é a grande plantação do futuro. Tenho um orgulho especial desse programa. Porque ele muda o futuro do Brasil", ressaltou.

Dilma falou também sobre os investimentos e obras feitos em Minas Gerais. Ao comentar projetos que ainda não foram concluídos, como a expansão do metrô e obras de duplicação da BR-381, que liga a capital mineira ao leste do Estado, Dilma disse que "cada projeto está em uma fase, depende de quem está gerindo, varia de lugar. Mas não estou atribuindo nada ao governo do Estado, cada um tem as suas dificuldades", afirmou. 

Selfies. A conversa com a imprensa atrasou quase três horas porque a presidente visitou as instalações de quatro escolas do Senai Horto e os alunos queriam tirar selfies com ela. "Disse a eles para compartilharem as selfies, no sentido de tirar uma foto coletiva. Selfie é um instrumento limitado, não tenho como tirar foto um a um. Embora eu esteja amando fazer selfies. É muito bom. É nesse contato que você escuta histórias interessantes", disse.

Questionada se ele estaria fazendo as selfies para passar uma imagem mais "humana", Dilma explicou: "Sabe desde quando tiro selfies? Desde quando saiu no Dilma Bolada e aí foi uma enxurrada de pedidos. Querida, esses estereótipos às vezes criam das pessoas. Eu digo: sou humana, não sou marciana", brincou. E, ao sair da sala com a imprensa, voltou a tirar mais uma selfie.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.