Em ato falho, secretário diz que Bolsa-Família subirá 10%

Informado de que o porcentual não havia sido divulgado, Augutin afirmou ter feito confusão e negou os '10%'

Adriana Fernandes e Fabio Graner, Agencia Estado

28 de julho de 2009 | 15h43

O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, cometeu um ato falho ao comentar que o aumento dos benefícios do Bolsa-Família seria de 10%. Ao ser questionado quando o aumento entraria em vigor, Augustin respondeu que "os 10%" seriam dados em setembro.    

 

Interpelado pelos jornalistas de que o valor não tinha sido divulgado, o secretário disse que fez confusão e negou que o reajuste será nesse valor. "O número não é esse", disse. O reajuste do Bolsa-Família e o novo reajuste dos servidores (concedido em junho com impacto nas contas de julho) vão pressionar ainda mais as contas do governo federal no segundo semestre.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa FamíliareajusteArno Augustin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.