André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Em artigo, Marta volta a criticar Dilma e diz que falta transparência

Para senadora, política econômica é conduzida sem 'confiança' e 'credibilidade' e classifica de 'maldades' medidas anunciadas

José Roberto Castro, O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2015 | 10h21

São Paulo - A senadora Marta Suplicy (PT-SP) voltou a criticar a presidente Dilma Rousseff e a condução da política econômica, gerida, segundo ela, sem "transparência", "confiança" e "credibilidade". Após listar uma série de problemas, da economia à saúde, a senadora decreta: "A peça se desenrola com enredo atrapalhado e incompreensível. O diretor sumiu", afirmou Marta, em artigo publicado na edição desta terça-feira, 27, do jornal Folha de S.Paulo.

O texto, intitulado "O diretor sumiu", ataca as recentes medidas adotadas pela equipe econômica da presidente, chamadas por ela de "maldades", e diz que Dilma está "fazendo a vaca engasgar de tanto tossir" - referência à promessa de campanha da presidente de não mexer em direitos trabalhistas "nem que a vaca tussa". "É óbvio que ela sabe o tamanho das maldades que estão sendo implementadas para consertar a situação que, na realidade, não era rósea como foi apresentada na eleição", afirma.

Desde que deixou o Ministério da Cultura, no fim do ano passado, a petista tem feito duras críticas à política econômica do governo federal. No começo deste mês, em entrevista ao Estado, a senadora também atacou a presidente, colegas de partido e o próprio PT: "Ou o PT muda ou acaba", disse. Os gestos da senadora têm sido interpretados como a sinalização de que Marta deseja deixar a legenda para poder concorrer à Prefeitura de São Paulo nas eleições de 2016. O prefeito Fernando Haddad é visto atualmente como nome natural do PT para disputar o cargo.

No artigo publicado nesta terça, Marta diz que falta apoio de Dilma aos nomes que escolheu e acusa a presidente de "desautorizar" um membro da equipe. Marta se refere ao caso da mudança da regra do salário mínimo, anunciado pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, e desmentido em nota no dia seguinte. "A situação persiste sem clareza do que pensa a presidenta."

Marta coloca a presidente na mira também do PT ao lembrar das queixas feitas pela Fundação Perseu Abramo, ligada ao partido, às medidas adotadas no início deste segundo mandato. As críticas da senadora se estendem também ao PT, que, de acordo com ela, está insatisfeito com a presidente, mas que "vive situação complexa". Marta acusa seu partido de ter "embarcado no circo de malabarismos econômicos" e prometer um futuro sem agruras, mas "agora está atarantado sob sérias denúncias de corrupção".

Para a senadora, faltou transparência ao governo na condução da política econômica e no discurso eleitoral. "O simpatizante PT não entende o porquê. Se tudo ia bem, era necessário alguém para implementar ajustes e medidas tão duras e negadas na campanha? Nenhuma explicação", argumenta.

*

Tudo o que sabemos sobre:
Marta SuplicyPTDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.