Leonardo Benassatto/Frame Photo
Leonardo Benassatto/Frame Photo

Em artigo, Clube Militar diz que STF age 'como nas ditaduras' contra liberdade de expressão

Texto em defesa da democracia e da liberdade de expressão faz duras críticas à conduta do Supremo Tribunal Federal e questiona se ação da Corte não seria uma 'ditadura da toga'

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2019 | 22h38

BRASÍLIA - O Clube Militar publicou nesta quarta-feira, 17, um artigo em defesa da democracia e da liberdade de expressão, com duras críticas à conduta do Supremo Tribunal Federal (STF). O texto afirma que "somente nas ditaduras (...) a liberdade constitucional de expressão, defendida e alardeada, só é admitida para falar positivamente". O artigo, intitulado "E agora, José?", questiona se esse tipo de ato não seria "ditadura da toga". Como os militares da ativa não podem falar, o pensamento da categoria, principalmente em questões mais delicadas, é expresso por meio de editoriais do Clube Militar.

"Acabamos de viver um dia negro, nebuloso, em que a perplexidade tomou conta da população, face às notícias emanadas do Supremo Tribunal Federal, maior, ou pretensamente maior, autoridade de Justiça da Nação", diz o texto, que se refere ao mandado de busca e apreensão na casa do general Paulo Chagas, por conta dos posts publicados com críticas a ministros do STF.

O Clube Militar afirma que um de seus membros foi "tolhido em seus legítimos direitos constitucionais em ação, ditatorialmente, editada". E emenda: "Começamos a temer pelas verdadeiras causas de tudo isso. Muitas são as notícias que envolvem os atores".

Em seguida, o editorial prossegue dizendo que "temos convivido há muito tempo com uma cultura insana e retrógrada, via de regra estimulada, de tudo ser permitido para atingir certos objetivos pessoais, corporativos e políticos, por escusos que sejam". De acordo com o Clube Militar, "a visível mudança que vem surgindo depois de 2013 sugere novos e corretivos rumos e, consequentemente, desagrados de muitos, viciados nos tortuosos ventos aplacados pelas calmarias indicadoras de novas e profícuas sendas".

Para a instituição, "é inconcebível que qualquer e indevida atitude venha retratar inconformismo e, menos ainda, enseje reação, possibilitando defesa, a qualquer preço, de status quo preexistente". O texto encerra ressaltando que "os ventos que têm soprado após as últimas eleições sinalizam novos tempos e, queira o bom Deus, dito brasileiro, que eles sejam de virmos a viver dentro da ordem e do progresso - um novo e redimido Brasil!".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.