Rosinei Coutinho/STF
Rosinei Coutinho/STF

Em 48 horas, 11 decisões do STF afetam políticos e Lava Jato

Ministros do Supremo Tribunal Federal realizaram nesta terça-feira, 19, a última sessão do ano

O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2017 | 05h00

Em 48 horas, ministros do Supremo Tribunal Federal tomaram pelo menos 11 decisões que envolvem políticos ou têm impacto na Operação Lava Jato. O ministro Gilmar Mendes proibiu nesta terça-feira, por meio de liminar concedida em ações movidas pelo PT e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a condução coercitiva de investigados para a realização de interrogatórios, uma das principais medidas usadas pela Operação Lava Jato. O STF realizou nesta terça-feira a última sessão do ano. 

O plenário do Supremo também decidiu, nesta terça-feira, por 10 votos a 0, pelo desmembramento das investigações do “quadrilhão” do PMDB da Câmara. De acordo com os ministros, a imunidade presidencial de Michel Temer não é estendida aos demais investigados. Eles, contudo, tiraram das mãos do juiz Sérgio Moro a ação por entender que o caso não tem relação com a Petrobrás. 

+++Supremo vota contra extensão da imunidade presidencial aos investigados no ‘Quadrilhão do PMDB’

Além disso, na véspera a Segunda Turma havia rejeitado denúncias contra quatro parlamentares no âmbito da Lava Jato. Participaram da sessão da turma os ministros Gilmar Mendes e Antonio Dias Toffoli, além do relator da Lava Jato na Corte, Edson Fachin, que saiu vencido.

+++Supremo rejeita denúncia contra deputado José Guimarães

+++Segunda Turma do STF rejeita denúncia contra Eduardo Fonte

+++Ministros não aceitam denúncia contra Benedito de Lira e Arthur de Lira

Na mesma sessão, eles concederam liberdade a um empresário acusado por crimes envolvendo Sérgio Cabral. Em decisões monocráticas, no mesmo dia, Gilmar Mendes havia mandado para prisão domiciliar a ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo e concedido liminar ao governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), suspendendo inquérito contra ele

+++Segunda Turma do STF concede liberdade a empresário acusado por crimes envolvendo Cabral

+++Justiça condena Cabral a 15 anos e decreta outra vez prisão de Adriana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.