Em 2 anos, Dilma viaja menos que Lula em 1º ano de mandato

Levantamento mostra que Dilma visitou 25 países em 2011 e 2012; enquanto Lula foi a 27 apenas em 2003; FHC passou mais tempo fora, mas visitou menos países em 1º biênio.

Rogerio Wassermann, BBC

03 de janeiro de 2013 | 06h06

A presidente Dilma Rousseff viajou a menos países em dois anos de mandato, em 2011 e 2012, do que o antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, em seu primeiro ano de governo, em 2003, segundo um levantamento feito pela BBC Brasil.

O levantamento, com base em dados da Presidência da República e do Itamaraty, mostra que em seus dois primeiros anos de mandato Dilma passou 82 dias no exterior e visitou 25 países (alguns mais de uma vez).

No primeiro ano de seu primeiro mandato, em 2003, Lula passou 74 dias viajando e visitou 27 países. No biênio 2003/2004, o ex-presidente visitou um total de 35 países e passou 123 dias fora do Brasil.

A agenda de viagens de Lula foi ainda mais intensa em seu segundo mandato, quando visitou 29 países no primeiro ano, em 2007, embora tenha passado menos tempo fora do Brasil - 68 dias. Nos dois primeiros anos de seu segundo mandato, Lula passou 146 dias viajando e visitou 47 países, além da base brasileira na Antártida e da Guiana Francesa (território francês na América do Sul).

Consultada pela BBC Brasil, a Presidência da República afirmou que não há uma razão específica para o ritmo menor de viagens da atual presidente em relação ao antecessor.

"As viagens dos Presidentes da República são organizadas em seus destinos, itinerários e duração, de acordo com as necessidades e ajustadas às possibilidades da agenda presidencial. Não há portanto, padrão a ser obedecido pelos ocupantes do cargo", informou a secretaria de imprensa da Presidência.

FHC, Sarney, Collor e Itamar

O levantamento das viagens presidenciais feito pela BBC Brasil mostra ainda que Dilma passou menos tempo fora do país em seus dois primeiros anos de mandato não somente em relação a Lula mas também ao presidente anterior, Fernando Henrique Cardoso, que viajou por 100 dias nos dois primeiros anos de seu primeiro mandato (1995 e 1996) e por 87 dias em seu segundo mandato (1999 e 2000).

Apesar disso, FHC visitou menos países que Dilma no mesmo período - 21 lugares diferentes tanto no primeiro biênio do primeiro mandato quanto no do segundo mandato.

Considerados todos os presidentes desde o período da redemocratização, em 1985, José Sarney foi o presidente que menos viajou em seus dois primeiros anos de mandato, entre março de 1985 e março de 1987. Nesse período, ele passou 33 dias fora do Brasil e visitou 9 países em 11 viagens.

Nos pouco mais de dois anos em que ficou na Presidência, de outubro de 1992 a janeiro de 1995, Itamar Franco fez 16 viagens a 9 países diferentes e ficou fora do Brasil por 63 dias.

Fernando Collor de Mello, em seus dois primeiros anos de mandato, de março de 1990 a março de 1992, passou 74 dias no exterior e fez 23 viagens a 18 países diferentes, além de uma visita à base brasileira na Antártida.

Destinos privilegiados

Quando analisados os destinos das viagens presidenciais, o levantamento mostra que em seus dois primeiros anos de mandato, a presidente Dilma Rousseff privilegiou as visitas à Europa, com 10 países visitados em 11 viagens, e à América do Sul, com 6 países em 11 viagens (considerando cada local visitado como uma viagem).

Ela também foi a 2 países da América Central em 2 viagens, a três da África em três viagens, dois da Ásia em duas viagens e 2 da América do Norte em 4 viagens (três delas para os Estados Unidos).

O país mais visitado por Dilma foi a Argentina, com quatro viagens, seguida dos Estados Unidos, com três, e França, Peru e Uruguai com duas visitas cada.

Em seu primeiro biênio, Lula foi a 9 países da África em 10 viagens e visitou 9 países sul-americanos em 20 viagens. Ele também foi a 7 países europeus em 11 viagens, a 5 da Ásia em 5 viagens e a 3 da América Central em 3 viagens, além de visitar os Estados Unidos quatro vezes e o México três.

Nos dois primeiros anos do segundo mandato, Lula fez 24 viagens à América do Sul para 11 locais diferentes (10 países mais Guiana Francesa), visitou 14 países da Europa em 18 viagens (incluindo uma ao Vaticano), 9 da América Central em 11 viagens, 7 da África em 7 viagens, 4 da Ásia em 5 viagens, 2 da Oceania em 2 viagens e a 2 da América do Norte em 5 viagens (quatro delas aos Estados Unidos), além da visita à base brasileira na Antártida.

Em seus dois primeiros anos, Fernando Henrique Cardoso concentrou suas viagens principalmente à América do Sul (7 países em 13 visitas), à Europa (5 países em 6 visitas) e à Ásia (5 viagens a 5 localidades, incluindo Macau, ainda colônia portuguesa na época).

A América do Sul e a Europa também foram o principal foco de FHC nos dois primeiros anos de seu segundo mandato. Ele foi a 7 países da Europa em 10 viagens e a 6 da América do Sul em 12 viagens. Ele também foi a 4 países da América Central em 4 viagens.

Menos reuniões

Os registros das viagens presidenciais indicam que a atual presidente vem participando de menos reuniões multilaterais no exterior do que seu antecessor.

Segundo os dados do levantamento feito pela BBC Brasil, a participação em reuniões de cúpula foram a motivação de 13 das 33 viagens realizadas por Dilma Rousseff nesses dois anos. Ela também viajou duas vezes aos Estados Unidos para discursar na abertura da Assembleia Geral da ONU, em Nova York.

Algumas outras viagens também não tiveram como motivação principal a relação bilateral do Brasil com o país visitado, a visita à Grã-Bretanha neste ano para assistir à abertura dos Jogos Olímpicos de Londres, a viagem a Portugal no ano passado para acompanhar a entrega do diploma de Doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra ao ex-presidente Lula e a viagem à Alemanha em março deste ano para visitar a feira de tecnologia Cebit, em Hanover, que tinha o Brasil como tema neste ano.

Lula, em seus dois primeiros anos, em 2003 e 2004, compareceu a 14 reuniões de cúpula e conferências internacionais, além das duas aberturas da Assembleia Geral da ONU.

Nos dois primeiros anos do segundo mandato, a frequência de reuniões multilaterais aumentou - foram 13 cúpulas e conferências internacionais em 2007 (além do discurso anual na ONU) e 12 cúpulas e conferências em 2008, além da Assembleia Geral da ONU.

Lula também fez várias outras viagens cuja motivação principal não era a relação com o país visitado, como a ida à Grã-Bretanha em junho de 2007 para assistir a um amistoso de futebol entre Brasil e Inglaterra, a caminho de viagens à Índia e à Alemanha, a viagem à Suíça em outubro do mesmo ano para a confirmação do Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014 e a ida à China, em agosto de 2008, para a abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.