Elite resiste à ascensão de pessoas de baixa renda, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no discurso de lançamento da pedra fundamental da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), disse que as elites brasileiras são resistentes à ascensão social de pessoas de baixa renda. "Pobre nasceu, segundo a lógica deles, para ser peão, pobre nasceu para ser pobre, esse negócio de ter diploma de doutor não é coisa pobre, assim as pessoas imaginavam", afirmou, para defender a atuação do governo na área da Educação.Segundo o presidente, o governo vem mudando essa realidade ao dar acesso à universidade. Lula foi interrompido pelo coro "um, dois, três Lula outra vez", puxado por um grupo de trinta militantes petistas que usavam camisa vermelha com a frase "Quem manda é o povo, Lula de novo". O presidente resistiu a falar mais explicitamente em política no seu discurso, segundo ele porque "cada vez que falo, um partido entra com um processo dizendo que estou fazendo campanha".No palanque onde foi lançada a "pedra fundamental" Lula estava acompanhado dos ministros das Relações Institucionais Jaques Wagner, da Educação Fernando Haddad, da Cultura Gilberto Gil, da Controladoria Geral da União, Waldir Pires, e vários deputados petistas como Walter Pinheiro e Nelson Pelegrino. Apesar do clima festivo, o presidente e o próprio ministro da Educação tiveram que se referir nos seus discursos às críticas e reivindicações feitas pelo representante dos estudantes, Jason Ferreira, que também falou na solenidade. Ele agradeceu a instalação da universidade, mas também reclamou da reforma universitária e de alguns problemas constrangedores enfrentados pelos alunos e professores. Problema estruturais"Essa universidade já nasce com sérios problemas estruturais, como a necessidade urgente de reforma nas instalações elétricas e hidráulicas da Escola de Agronomia da Universidade Federal da Bahia (onde a nova instituição será implantada)", disse sendo ovacionado pelos colegas que estavam na platéia.Ferreira reclamou que os professores ocupam no campi casas que deveriam ser destinadas aos alunos e achou um absurdo o fato de uma Escola de Agronomia não produzir os alimentos que a comunidade universitária local consome. Lula informou ao estudante que o governo estava liberando R$ 4 milhões para obras estruturais no campi.Antes de ir a Cruz das Almas, a comitiva presidencial visitou a cidade de histórica de Cachoeira (onde funcionará um dos campi da UFRB). Lula percorreu rapidamente o Quarteirão Leite Alves, ruínas de uma antiga fábrica de charutos que está sendo reformada para a instalação dos cursos de História, Museologia e Comunicação. O presidente foi recebido pelo governador Paulo Souto (PFL) e por dona Canô Veloso, mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.