Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Após cirurgia em Porto Alegre, Eliseu Padilha está 'estável', dizem médicos

Ministro-chefe da Casa Civil foi submetido a uma intervenção cirúrgica para retirar a próstata; boletim médico divulgado no início da noite diz que o procedimento transcorreu 'sem intercorrências' e que o paciente está estável

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2017 | 19h15

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, passou nesta segunda-feira, 27, por uma cirurgia no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, para retirada da próstata. Boletim médico divulgado no início da noite diz que o procedimento transcorreu “sem intercorrências” e que as condições gerais do ministro são estáveis.

Padilha está de licença informal do governo desde a última quarta-feira, 22. No dia 20, ele passou mal no trabalho e foi internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília. Na ocasião, os médicos detectaram obstrução urinária, provocada por uma hiperplasia prostática, e o ministro acabou transferido para Porto Alegre, onde reside sua família. O urologista Cláudio Telöken e o intensivista Nilton Brandão, que assinam o boletim desta sexta-feira, dizem que Padilha permanecerá “monitorado pelas próximas 48 horas”.

A licença do chefe da Casa Civil coincidiu com um período de grande turbulência política, após o depoimento do ex-assessor da Presidência José Yunes à Procuradoria Geral da República, levando a investigação da Lava Jato para dentro do Palácio do Planalto.

Embora o retorno de Padilha ao Planalto esteja previsto para 6 de março, auxiliares do presidente Michel Temer admitem, nos bastidores, que talvez seja conveniente estender sua licença. Na prática, a volta do ministro à equipe é considerada incerta e depende dos desdobramentos da crise.

Yunes disse que serviu de “mula involuntária” de Padilha, na campanha eleitoral de 2014, ao aceitar receber  um “pacote” -- a pedido do ministro -- em seu escritório de advocacia, em São Paulo. De acordo com o relato de Yunes, a encomenda foi entregue a ele pelo operador financeiro Lúcio Funaro, homem da confiança do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Alvos da Lava jato, Funaro e Cunha estão presos desde o ano passado.

Amigo de Temer, o ex-assessor disse que não abriu o “pacote”  nem sabe o que havia em seu conteúdo. Nega, porém, que houvesse dinheiro vivo, como denunciou o ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho em delação premiada. Yunes disse que só conheceu Funaro naquele dia. Na sua versão, o “pacote” depois foi retirado por outra pessoa, que ele não se lembra nem mesmo do nome.

Em dezembro do ano passado, a Coluna do Estadão informou que Funaro entregou R$ 1 milhão no escritório de advocacia de Yunes, a mando de Padilha, na campanha de 2014. A quantia era proveniente da Odebrecht. Um dos auxiliares mais próximos de Temer, Yunes deixou o governo dias depois, quando veio à tona a delação de Melo Filho.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.