Eliseu Padilha diz que vai à justiça contra ACM

O ministro dos Transportes, Eliseu Padilha, disse hoje que vai ingressar na Justiça com uma Ação de Responsabilidade Civil contra o senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), pelas acusações de eventuais irregularidades em autarquias controladas pelo Ministério. Padilha explicou que não é de sua responsabilidade o pagamento do precatório de R$ 373,8 milhões ao Sindicato Nacional da Indústria de Construção Pesada (Sincon), conforme denúncia de ACM.Segundo Padilha, o senador não fez uma denúncia, mas apenas tornou pública as investigações que estavam sendo feitas pela Advocacia-Geral da União (AGU), com relação ao pagamento dessa indenização. De acordo com o cronograma apresentado hoje pelo ministro, no Palácio do Planalto, e pelo titular da AGU, Gilmar Mendes, a Justiça havia decidido, desde 1995, pela indenização milionária ao Sincon.Padilha lembrou que, na época, ele não era titular da pasta mas disse que, na sua opinião, o titular da pasta na época também não deve ser responsabilizado. O advogado-geral da União, Gilmar Mendes, informou que, na última segunda-feira, foi encaminhado ao presidente do TRF da 1ª Região, ministro Tourinho Neto, o relatório da comissão constituída entre a AGU e os Ministérios da Fazenda e Transportes sobre o caso. Segundo Mendes, em vez de R$ 373,8 milhões, o valor correto seria de R$ 79,234 milhões.Eliseu Padilha disse que sua estratégia, a partir de agora, será divulgar diariamente informações que desmentem denúncias do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA). Amanhã, o ministro vai divulgar relatório de auditorias feitas nas Docas de Santos e Bahia. Para o ministro, a intenção de ACM em fazer essas denúncias é desmoralizar partidos e governo, passando uma falsa informação à opinião pública. Por esse motivo, o ministro disse que vai prestar esclarecimentos sobre todas acusações e responsabilizar o senador, junto ao Judiciário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.