André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Eleita no STF, Cármen Lúcia rejeita ser chamada de 'presidenta'

Ministra vai presidir o STF no próximo biênio no lugar de Ricardo Lewandowski

Beatriz Bulla e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

11 Agosto 2016 | 00h16

Eleita nesta quarta-feira, 10, para presidir o Supremo Tribunal Federal (STF) nos próximos dois anos, a ministra Cármen Lúcia deixou claro que quer ser chamada de presidente, não “presidenta” – como a presidente afastada Dilma Rousseff solicitava.

A provocação foi feita pelo ministro Ricardo Lewandowski, que deixará o cargo em setembro para dar lugar a Cármen. “Eu fui estudante e sou amante da língua portuguesa e acho que o cargo é de presidente, não é?”, disse Cármen. “É bom esclarecer desde logo”, respondeu Lewandowski.

Quando Cármen terminou de falar, o ministro Gilmar Mendes fez uma rápida intervenção para citar o termo “presidenta inocenta”, usado pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) na sessão de anteontem que tornou Dilma ré no processo de impeachment.

Mineira, Cármen foi indicada ao tribunal em 2006 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A ministra foi advogada e procuradora do Estado de Minas Gerais. Ela será a segunda presidente mulher do Supremo. A primeira a assumir o posto foi a ministra Ellen Gracie, também a primeira mulher a integrar a Corte.

A posse da nova presidente do Supremo acontecerá no dia 12 de setembro. A eleição foi rápida e protocolar, já que a Corte tem tradição de escolher o ministro com mais tempo de casa que ainda não presidiu o tribunal. Na mesma votação, os ministros decidiram que Dias Toffoli será o vice-presidente.

Declarações. No último ano, Cármen Lúcia se destacou por declarações fortes em julgamentos do tribunal. Quando a Corte decidiu pela prisão do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), acusado de obstruir a Lava Lato, Cármen fez discurso incisivo: “Criminosos não passarão”.

Como relatora do processo que decidiu que biografias podem veicular informações sem autorização prévia dos biografados, uma frase sua também ganhou notoriedade: “Cala a boca já morreu, quem disse foi a Constituição.” / B.B. e RAFAEL MORAES MOURA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.