Eleições no Congresso mostram força do governo, diz Dirceu

O ex-ministro José Dirceu avaliou nesta sexta-feira, em seu blog, que a vitória de Arlindo Chinaglia (PT-SP) na disputa pela presidência da Câmara e de Renan Calheiros (PMDB-AL) no Senado evidenciou o enfraquecimento do PFL, a divisão do PSDB e o fortalecimento do governo."O PFL é um partido à espera de uma reforma e de uma bandeira", analisou o ex-ministro. "No caso do PSDB, suas divisões são evidentes e se refletiram na disputa. Fernando Henrique Cardoso não conseguiu impor sua política, que, no passado, levou à eleição de Severino Cavalcanti (PP-PE)".Entre os tucanos, de acordo com Dirceu, predominam os interesses regionais e os projetos para a eleição presidencial de 2010. "Ou seja, os tucanos ainda não se encontraram depois da segunda derrota para Lula", disse o ex-ministro, em referência a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Dirceu afirmou também que a derrota de Aldo Rebelo (PCdoB-SP) na quinta-feira não enfraquecerá a coalizão. "O ex-presidente Aldo Rebelo, como havia prometido e como é de sua tradição, deu o bom combate, resistiu bravamente, merece nosso respeito", afirmou. "Não acredito que a coalizão sofrerá fissuras com a derrota da aliança entre PSB e PCdoB".Em seu blog, Dirceu ironizou ainda o grupo de deputados que investiu em uma candidatura alternativa à presidência da Casa, representada pelo tucano Gustavo Fruet (PSDB-PR). "A chamada terceira via não existia", disse o ex-ministro. "Era só a oposição, travestida com um discurso moralista (...) e, no final, conquistou cem votos, que é o tamanho real da oposição na Câmara".De acordo com Dirceu, passada a eleição, o governo deve unificar sua base e dialogar com a oposição para aprovar projetos de interesse do País. O ex-ministro citou como exemplos as medidas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), as reformas política e tributária e as microreformas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.