Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Eleições 2022: Braga Netto falta a ato do PL, mas permanece cotado a vice de Bolsonaro

Uma das versões que circulam no meio político é a de que o ministro da Defesa não foi à cerimônia para não dar a impressão de que se tratava do lançamento da pré-candidatura de Bolsonaro

Eduardo Gayer e Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2022 | 21h36

BRASÍLIA - A ausência do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, no ato de tom eleitoreiro realizado neste domingo, 27, pelo PL causou estranhamento entre alguns aliados do governo, mas o general ainda é o mais cotado para concorrer como vice na chapa do presidente Jair Bolsonaro (PL) à reeleição.

A reportagem procurou lideranças da base de apoio do governo no Congresso e questionou o motivo de Braga Netto não ter ido ao ato, como fez a maioria dos ministros e aliados do Executivo. “É a pergunta que não quer calar”, resume uma fonte da sigla sobre o sumiço do favorito a vice.

Uma das versões que circulam no meio político é a de que Braga Netto não foi à cerimônia para não dar a impressão de que se tratava do lançamento da pré-candidatura de Bolsonaro. Neste sábado, 26, o próprio chefe do Executivo afirmou que esse era o objetivo, mas o PL classificou o evento como um ato de filiação em massa, para evitar problemas com a Justiça Eleitoral.

“Como não era lançamento de candidatura, não tinha por que ele [Braga Netto] estar lá, até porque não estavam todos os ministros”, afirmou uma fonte ligada ao governo. Durante a cerimônia, Bolsonaro concedeu a palavra aos ministros Tereza Cristina (Agricultura) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), que já foram cotados para compor a chapa que disputará o Palácio do Planalto em outubro. O Centrão, que integra a base aliada do governo no Congresso, defendia o nome de Tereza, como mostrou o Broadcast Político/Estadão.

O ministro da Defesa era presença confirmada, segundo apurou a reportagem, e estudava, inclusive, se filiar à legenda neste domingo, como fizeram os colegas de Esplanada Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e João Roma (Cidadania). Embora “chapa pura” seja incomum em eleições majoritárias, os outros partidos da aliança eleitoral de Bolsonaro, PP e Republicanos, não têm feito esforço para atrair Braga Netto.

Neste momento, contudo, Braga Netto é o mais cotado para ser vice na candidatura à reeleição do presidente e conta com a preferência pessoal de Bolsonaro, que busca um nome para blindá-lo de aberturas de processo de impeachment em um eventual segundo mandato. Um dos motivos citados por lideranças do Congresso para a falta de apoio parlamentar ao processo de destituição do presidente é que o mundo político não confia no vice-presidente Hamilton Mourão por ele ser militar.

O próprio Bolsonaro deu sinais claros de que Braga Netto é seu escolhido ao afirmar, na semana passada, que seu vice seria alguém de Belo Horizonte (MG) que cursou escola militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.