Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsonaro diz que Moro não aguenta '10 segundos de debate'

Presidente afirmou que o ex-ministro da Justiça devia ter 'tido caráter' e recusado o cargo por ser 'de esquerda'

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2021 | 21h57
Atualizado 07 de dezembro de 2021 | 11h17

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro disse a apoiadores, nesta segunda-feira, 6, que o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro (Podemos), pré-candidato ao Palácio do Planalto, “não aguenta 10 segundos de debate”. Na mesma conversa, em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro também acusou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de comprar votos, em 1998, para conseguir o novo mandato.

“Ele (FHC) se elegeu na onda do Real do Itamar Franco. Daí ele comprou a (emenda da) reeleição”, disse o presidente. Durante o bate-papo, Bolsonaro ainda contou que sua meta é ter doze senadores aliados na próxima legislatura.

“Uma dúzia está bom”, afirmou ele. Ao contrário do que ocorre na Câmara, onde há uma aliança entre o Planalto e o Centrão de Arthur Lira (Progressistas-AL), o governo enfrenta muitos problemas no Senado, já que ali não tem maioria.

Na tentativa de conquistar apoio, o Planalto pretende lançar vários ministros para disputar vagas de senadores, em 2022. Na lista estão Tereza Cristina (Agricultura), Flávia Arruda (Secretaria de Governo), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Marcelo Queiroga (Saúde).

Bolsonaro negou a informação de que estaria cogitando indicar o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, como seu candidato a vice, conforme noticiou o site g1. No momento, há apenas especulações, afirmou o presidente. “É pregação de gente nossa, de gente querendo se cacifar”, disse ele, referindo-se a todos os nomes aventados até agora. O presidente assegurou aos apoiadores que, ao se filiar ao PL, acertou “muita coisa” com o presidente do partido, Valdemar Costa Neto, mas não o nome do vice.

“Quem vai escolher sou eu”, afirmou Bolsonaro. “Vice eu considero um casamento. Tem de ser pessoa que não te dê trabalho e que some.” Desde que tomou posse, em 2019, o chefe do Executivo tem relações conturbadas com o vice-presidente Hamilton Mourão.

Evangélicos abrigados no Centrão reivindicam a cadeira de vice. Outros dois nomes sempre citados são os dos ministros Fábio Faria (Comunicações) e Tereza Cristina (Agricultura), embora eles também sejam mencionados como pré-candidatos ao Senado. A possibilidade de ter o ministro da Defesa na chapa foi considerada remota nos bastidores do governo, uma vez que Braga Netto não agregaria votos para Bolsonaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.