ELEIÇÃO-Tática difere 'minoritários' e 'latifundiários' no Rio

Os "minoritários" do tempo depropaganda eleitoral gratuita na eleição à prefeitura do Rio deJaneiro vão se desdobrar para transmitir sua mensagem, enquantoos "latifundiários" de muitos minutos desenvolvem estratégiasmais elaboradas. Na televisão, o programa do líder nas últimas pesquisas deintenção de votos, o senador Marcelo Crivella, do PRB, mostrarána primeira semana o apoio do vice-presidente, José Alencar,mas vai anunciar as caminhadas que fará pela cidade paracompensar o limite de 1 minuto e 51 segundos. A campanha deCrivella é coordenada por Duda Mendonça. Com apenas 57 segundos, o programa do deputado federalChico Alencar (PSOL) contará com mensagens curtas e concisas,tentando guiar o eleitor até o site da campanha, onde poderáter acesso a informações e propostas. Para José Luís Fevereiro, coordenador de site, rádio e TVde Chico Alencar, é preciso "operar um milagre da comunicação".No primeiro dia, haverá apenas duas falas do candidato, cenasde rua e um depoimento final da senadora Heloísa Helena. O PSOLtenta ainda se apresentar como único partido de esquerda daeleição municipal. ALLENDE E RIO 92 Se os representantes de legendas menos favorecidas em tempobuscam formas criativas de passar suas mensagens, os"latifundiários" do tempo de TV desenvolvem programas maiselaborados. O deputado federal Fernando Gabeira (PV), que tem o segundomaior tempo disponível, 4 minutos e 46 segundos, apostará emrelatos biográficos. Na primeira semana, os programas resgatarão suaparticipação em conjunturas históricas, como a ditaduramilitar, o golpe contra o ex-presidente do Chile, SalvadorAllende, a Eco-Rio 92, o assassinato de Chico Mendes e acassação do ex-presidente da Câmara dos Deputados SeverinoCavalcanti. Segundo a coordenação da campanha, assinada pelopublicitário Lula Vieira, a internet continuará sendo crucial:já foram publicados mais de 100 fotos e 60 vídeos no siteoficial de Gabeira. Novas ferramentas interativas também devemser incorporadas nas próximas semanas. Com o maior tempo entre os candidatos, 6 minutos e 48segundos, o programa de Eduardo Paes (PMDB) seguirá o formatode revista eletrônica. Paes pretende evitar questões políticasque extrapolem o âmbito municipal. "O eleitor não está interessado em questionamentospolíticos, mas nas coisas que afetam seu dia-a-dia", afirmaRenato Pereira, da equipe de comunicação do pemedebista. APOIOS POLÍTICOS Com menos da metade do tempo de Eduardo Paes, que aindaaparecerá na televisão ao lado do governador Sérgio Cabral,Jandira Feghali (PCdoB) usará seus 2 minutos e 28 segundos paraapresentar propostas de governo, focando em temas como dengue eatendimento na rede municipal de saúde. Segundo o publicitário Paulo de Tarso Lobão, a polêmicasobre a descriminalização do aborto, que esquentou a campanhade Jandira para o Senado em 2006, não deverá entrar na disputapela prefeitura carioca: "Isso era assunto legislativo, nãomunicipal". O objetivo é abordar questões específicas docotidiano dos moradores da cidade. Afilhada política do prefeito Cesar Maia, a candidata doDEM,Solange Amaral, tem gravado exclusivamente externas parasua primeira semana no horário eleitoral gratuito, no qual terá3 minutos e 36 segundos. Serão exibidos propagandas sobre realizações do grupo doatual prefeito nos últimos 15 anos, período em que ele mantevehegemonia no poder municipal. As áreas de educação, obraspúblicas e equipamentos, esportes (ênfase nos JogosPan-Americanos) e servidor público serão prioridade na campanhademocrata. De acordo com Marcelo Maia, coordenador de audiovisual, osprogramas devem reforçar o vínculo entre a imagem de Solange ea de Cesar Maia. O candidato petista Alessandro Molon, que tem 4 minutos equatro segundos, vai apostar suas fichas no apoio depersonalidades do primeiro escalão do governo federal. Convocados para dar fôlego à sua campanha, os ministrosTarso Genro (Justiça), Patrus Ananias (Desenvolvimento Social eCombate à Fome), Luiz Dulci (Secretaria-Geral da Presidência),Fernando Haddad (Educação) e Nilcéia Freire (SecretariaEspecial de Políticas Públicas para Mulheres) já participaramde gravações. Também estarão no programa de TV de Molon a senadora eex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e o presidentenacional do PT, Ricardo Berzoini. O senador Eduardo Suplicy(PT-SP) e os ministros Carlos Minc (Meio Ambiente) e EdsonSantos (Igualdade Racial) devem gravar em breve. (Edição de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.