Eleição para o comando do PT é tranqüila no Rio

A primeira eleição direta para cargos dedireção do PT transcorreu tranqüilamente hoje, no Rio. Apenas umpequeno protesto contra a tendência majoritária Articulação, emum clube em Jacarepaguá, zona oeste, foi registrado. Osresultados da disputa pelos diretórios municipal e estadual sódevem ser conhecidos amanhã. Hoje, porém, a espectativa era deque houvesse segundo turno. O PT tem 14,3 mil filiados no Estado dos quais 7,3 mil na capital. Entre os petistas flumineses, avitória do deputado José Dirceu (SP), atual presidente nacionaldo partido, era tida como certa no Estado.As eleições começaram às 9h e encerram-se às 16h, em 39pontos da capital e 72 no interior. Apenas sete dos 96municípios do Estado contaram com urna eletrônica, cedida peloTribunal Regional Eleitoral.A vice-governadora Benedita da Silva, ligada àArticulação, votou às 11h30. Benedita se atrapalhou com a urnaeletrônica e pediu para votar manualmente. "Essas eleições sãoimportantes porque chegou a hora do partido no Rio afinar aviola com o comando nacional", disse Benedita, que votou noposto do Chápeu Mangueira, no Leme, Zona Sul, e depois percorreuos postos da Zona Oeste, onde controla grande parte das zonaisdo partido.Também na Zona Oeste, o candidato independente aodiretório municipal, Augusto Mendes, da chapa "Resgate pelaBase", organizou um protesto contra o que chamou de"manipulação do processo de votação" por militantes daArticulação.Segundo ele, dirigentes da corrente liderada porBenedita estariam alugando vans para levar filiados para votarnos postos do PT na região. "Esta é uma falsa militância quenão tem compromisso com o partido e a massa de manobra",denunciou Mendes, durante manifestação no clube Bandeirantes, emJacarepaguá. "É a vitória do transporte alternativo que fez acampanha da Benedita na Zona Oeste." Dirigentes da Articulaçãonegaram a acusação.Nas zonas Sul e Norte da cidade, as eleições diretas doPT transcorreram em clima de normalidade. Nenhuma briga entre osmilitantes da diversas tendências, como era esperado, aconteceu.Cinco candidatos disputam a presidência do diretório municipal.A tendência era de que haveria segundo turno entre EugênioSoares, da Articulação, e Maria José Andrade, a Zezé, da chapaOpção Popular, ligada ao deputado federal Carlos Santana, quefoi punido pelo diretório nacional por não ter declarado ao TREuma doação da CBF, durante a campanha eleitoral de 1998.No diretório regional, deverá haver segundo turno entreos ex-vereadores Gilberto Palmares, da Articulação, e AdílsonPires, do Movimento PT, ligado nacionalmente aos deputadosTilden Santiago (MG) e Arlindo Chinaglia (SP). O Movimento PTdefende o entrosamento e a integração das secretarias petistaspara gerar "políticas capazes de dar ao PT importâncianacional".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.