Eleição para Câmara custou cerca de R$ 1 mi

Custo equivaleria ao salário de vereador durante nove anos; seis dos dez que mais gastaram são do PT

José Maria Tomazela, O Estadao de S.Paulo

17 de outubro de 2008 | 00h00

Pode ter custado em média R$ 1 milhão a campanha de cada um dos 55 vereadores eleitos ou reeleitos para a Câmara de São Paulo, apurou o Estado. O valor seria suficiente para pagar os salários brutos do parlamentar durante 9 anos de mandato. Com salário de R$ 9.288,00 sem os descontos, na legislatura de quatro anos o vereador acumula um ganho bruto de R$ 445.834,00. O prazo para finalizar a prestação de contas é 4 de novembro, mas os números parciais apresentados à Justiça Eleitoral revelam uma campanha cara.Alguns vereadores que finalizam o balanço já sabem o tamanho da conta. Milton Leite (DEM) calcula o custo da própria campanha em R$ 1,7 milhão. Eleito em quarto lugar com 80.051 votos, é apontado pelos colegas como um dos que mais empregaram recursos para se reeleger. Cada voto saiu a um custo de R$ 21. Até 6 de setembro, quando apresentou o balanço parcial ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ele tinha arrecadado R$ 1,06 milhão para cobrir as despesas. Desse valor, R$ 982 mil foram obtidos com doações de pessoas físicas e jurídicas. Outros R$ 200 mil foram de recursos próprios. O comitê financeiro do partido repassou R$ 18,2 mil - menos de 2% do total. "O maior doador da minha campanha sou eu mesmo", disse Leite, que é também empresário. Na relação parcial de custos, a despesa maior - 36% - era com pessoal. Outros 27% custearam publicidade, faixas e impressos. Estão relacionados ainda os gastos com combustível, locação ou cessão de imóveis. De acordo com o vereador, ele soube separar a campanha da atividade parlamentar. "O carro que uso em serviço não saiu da garagem da Câmara. Não sei como os outros vereadores fizeram para separar a verba pública da campanha." As despesas incluem o uso de bens próprios, como casas e escritórios transformados em comitê. Nesse caso, é atribuído o valor que seria gasto com o aluguel. O vereador Milton Ferreira, do PPS, eleito com o menor número de votos - 14.874 -, garante que foi um dos que menos tiveram custos com a campanha. Ele estima uma despesa entre R$ 200 mil e R$ 300 mil. "Faço trabalho social há anos e não precisei gastar muito." Ainda assim, cada voto recebido custou R$ 20 - quase o mesmo custo que o da campanha mais cara.Consultados pelo Estado, poucos vereadores quiseram falar sobre as contas da campanha eleitoral. A assessoria do vereador mais votado, Gabriel Chalita (PSDB), que recebeu 102.048 votos, informou que os gastos ainda não foram fechados. Na parcial de 6 de setembro, o candidato estava em 15º lugar em custo de campanha entre os eleitos.Entre os 10 que mais tiveram gastos, seis são do PT, segundo os dados parciais. Um deles, o vereador Arselino Tatto, estima despesas de pelo menos R$ 800 mil. "Está dentro do padrão", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.