Eleição "oxigena" partido, diz Zeca do PT

O governador de Mato Grosso do Sul, José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, disse hoje que a eleição do PT que ocorre hoje em 71 municípios do Estado, sete deles com urna de votação eletrônica, "oxigena o partido e motiva a militância", fugindo das convenções partidárias tradicionais, nas quais só os delegados votam.Zeca voltou a defender que seu partido tenha uma postura de apostar em alianças amplas, considerando que não pode governar o País sozinho. Ele disse que não acredita que após a decretação do resultado da eleição possa haver uma debandada no PT. "Ninguém vai sair do PT. Eu mesmo, se o nosso projeto perder, continuarei no PT", declarou.Segundo ele, é fácil acomodar quem for derrotado, após a superação da disputa. Mas não deixou de dar uma alfinetada na ala mais à esquerda do partido. "Não concordo com esse negócio deles se chamarem de esquerda do PT porque isso levaria a concluir que eu sou de direita. E isso não é verdade, sou de esquerda", declarou.Durante entrevista coletiva, o governador afirmou que a grande virtude do PT nessa eleição foi ter a "coragem de se escancarar", de debater amplamente seus diferentes projetos internos. "Não é como o PMDB que teve de ter até polícia em sua convenção nacional, que tem uma elite partidária comandando o processo", comparou, enfatizando que colégios eleitorais restritos, como o peemedebista, "é muitas vezes manipulável".Crente na vitória de seu candidato a presidente regional do PT, o secretário Vander Loubet (Infra-Estrutura), Zeca entende que com essa nova direção haverá mais facilidade para o seu partido costurar alianças. Considera que os deputados estaduais do bloco dos nove (bloco parlamentar suprapartidário, base do governador), terão, com a eleição de Vander, mais convicção de que o melhor caminho é marchar com o PT. "Esse projeto do Vander, se vitorioso, atrai muitas forças, que sem a vitória dele não vêm", destacou. Indagado sobre eventual composição para a sucessão estadual, Zeca revelou que amanhã, no final da tarde, deve reunir com o núcleo político do governo para analisar qual serão as melhores opções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.