Eleição de Lula será mais fácil sem candidato do PMDB, diz Itamar

O ex-presidente da República, Itamar Franco, avaliou nesta quarta-feira que a ausência de um candidato peemedebista "torna mais fácil" a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Acho que aumentam a chances do presidente Lula sem o PMDB", disse, salientando que toda eleição pode trazer "uma dose de surpresa" e que não é possível prever se o processo eleitoral será favorável ao presidente. Itamar, que desistiu de sua pré-candidatura presidencial e vai disputar a indicação do partido para concorrer ao Senado, demonstrou pouca confiança no sucesso da eventual chapa à Presidência encabeçada pelo senador Pedro Simon (RS). "A minha visão é que essa luta está cada vez mais difícil", observou, se referindo à oposição ferrenha da ala governista do PMDB, principalmente do presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), e do senador José Sarney (AP).Perguntado se subiria novamente no palanque de Lula, ele disse que só definirá seu "caminho político" após a convenção estadual do partido. Mas descartou a possibilidade de compor como vice na virtual chapa à reeleição do presidente. "Eu nunca serei candidato a vice do presidente Lula", afirmou, destacando que não foi convidado e se fosse, não aceitaria. Para Itamar, o PMDB tem todas as condições de oferecer uma candidatura "diferencial", capitaneada pelo senador gaúcho. Na sua opinião, o partido, sem candidato próprio, sofre prejuízos no que chamou de "presidencialismo distorcido" brasileiro, cuja figura máxima é o presidente da República. "Achar que o governador ou o senador resolvem os problemas, não resolvem os problemas políticos, nem os sociais e muito menos os econômicos". ConselhoItamar disse que conversou na noite de terça-feira com Pedro Simon, que revelou estar bastante animado com a possível candidatura. "A tendência dele era manter a candidatura, possivelmente a lançando amanhã (hoje)."O ex-presidente, porém, aconselhou Simon a não concordar com a transferência da convenção nacional do dia 11 para o dia 29 do próximo mês, na véspera da data final para a definição das candidaturas. A estratégia governista é empurrar a convenção para o prazo limite, não dando opções futuras aos defensores da candidatura própria. "Ele (Simon) tem uma eleição praticamente certa para senador e se for a convenção dia 29 ele teria dificuldades depois de se apresentar como candidato ao Senado", observou Itamar. "O senador Pedro Simon sabe que vai enfrentar uma luta difícil."AécioItamar se reuniu pela manhã com o governador Aécio Neves (PSDB), no Palácio das Mangabeiras. O ex-presidente não quis fazer considerações sobre o encontro. Disse apenas que gostaria que o PMDB estivesse mais próximo do governador, candidato à reeleição. Aécio reiterou a disposição de contar com o apoio dos peemedebistas mineiros e renovou os elogios a Itamar. "É um nome nacional e ele, portanto, tem possibilidade de nos ajudar de todas as formas. De dar dimensão à representação de Minas no Senado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.