''Ele faz apologia ao crime. Estou chocada''

A jornalista Rose Nogueira, presidente em São Paulo da organização Tortura Nunca Mais e do Conselho Estadual de Defesa Direitos da Pessoa Humana (Condepe), reagiu ontem com indignação às declarações do tenente José Vargas Jimenez, o Chico Dólar.Em depoimento à Comissão Especial da Lei de Anistia, na Câmara, ele confessou crimes e torturas e chocou os deputados. "Ele se despiu de humanidade e ainda por cima faz apologia ao crime. Estou chocada", disse por telefone ao Estado. Como a senhora recebeu as declarações do tenente Jimenez e a confissão dele de ter participado de tortura no Araguaia?Fiquei chocada mais uma vez. Já tínhamos ouvido outros falarem isso e mais uma vez a história se repete. É um absurdo completo, sobretudo no momento em que ele menciona que cabeças e mãos eram decepadas. Estou realmente chocadíssima e temos de exigir que as autoridades que ouviram esse depoimento tomem providências imediatas. O que esse homem cometeu é lesa-humanidade, que é imprescritível e inafiançável. Todos nós fomos agredidos com as declarações e os fatos.O que as organizações em defesa dos direitos humanos podem fazer em casos como esses?O que já estamos fazendo. Trabalhar junto com o Ministério Público Federal e exigir responsabilização dos torturadores. Confessar um crime desse é ofender toda a humanidade. O tenente Jimenez tem de responder juridicamente por suas ações. Em um determinado trecho do depoimento, ele, que é do Exército, diz ter cumprido ordens. Se ele cumpriu ordens tratava-se de política de Estado. Tenho certeza de que as Forças Armadas hoje não concordariam com isso.Depois das declarações, Jimenez disse que se considerava um herói. Como a senhora viu isso?Ele não é herói. Ele é um criminoso equiparado aos piores criminosos nazistas. Ele se despiu de humanidade e ainda fez apologia ao crime. Espero que o Congresso Nacional, que assistiu a isso, tome as providências cabíveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.