El País vê 'ascensão fulgurante' de Dilma nas pesquisas

Jornal espanhol afirma que crescimento eleitoral da ministra foi um 'balde de água fria' para a oposição

Bruno Siffredi, do estadao.com.br,

02 de março de 2010 | 10h22

O jornal espanhol El País publicou nesta terça-feira, 2, em seu site, um artigo no qual ressalta o crescimento nas últimas pesquisas da ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff, e afirma que o PSDB "se vê obrigado a forçar" o governador de São Paulo, José Serra, "a tomar uma decisão" sobre sua candidatura.

 

Veja também:

linkPolíticos especulam no Twitter sobre Serra

linkDilma está a 4 pontos de Serra, indica pesquisa

linkPesquisa reforça competitividade de DilmalinkPSDB minimiza avanço de Dilma na pesquisa

linkCiro Gomes comemora queda de José Serra

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva "tinha razão" quando afirmou que a ministra cresceria nas pesquisas após a oficialização de sua candidatura, observa o jornal. O artigo assinado pelo correspondente Juan Arias lembra que a ministra ganhou cinco pontos percentuais desde o anúncio de sua candidatura no Congresso Nacional do PT, no dia 20 de fevereiro, e neste momento tem apenas quatro pontos de distância do pré-candidato tucano.

 

Segundo o El País, o PT aceitou a candidatura de Dilma "por imposição de Lula", mas a ascensão da ministra está levando o partido a "começar a acreditar que vai voltar a ganhar as eleições". Por outro lado, para a oposição, as últimas pesquisas foram "um balde de água fria", sobretudo por causa da escolha de Serra de esperar para oficializar a sua própria candidatura, enquanto observa a subida da ministra.

 

O artigo afirma que Serra estaria indeciso quanto a concorrer pela segunda vez à presidência, pois, com uma nova derrota para o PT na corrida à presidência, o tucano também perderia a oportunidade de se reeleger ao governo do Estado, onde "desfruta de um apoio popular parecido com o de Lula a nível nacional". Por isso, o PSDB estaria pressionando Serra a anunciar a própria candidatura.

 

"O ideal para o partido", diz o jornal, é que o "jovem" governador de Minas Gerais, Aécio Neves, aceite o posto de vice de Serra, o que uniria na chapa tucana os dois maiores colégios eleitorais do País. No entanto, segundo o períodico, o mineiro ainda alimenta esperanças de que Serra renuncie à disputa presidencial, o que o colocaria como principal nome do PSDB para enfrentar Dilma Rousseff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.