Efraim e Alves deixam o STF esperando cassação de liminares

O presidente e o relator da CPI dos Bingos, senadores Efraim Moraes (PFL-PB) e Garibaldi Alves (PMDB-RN), saíram, no fim da manhã, de audiência com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Nelson Jobim. Eles estavam otimistas quanto à possibilidade de derrubarem liminares concedidas por Jobim impedindo a CPI de quebrar os sigilos bancário, fiscal e telefônico do ex-caixa de campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e atual presidente do Sebrae, Paulo Okamoto, e do empresário Roberto Carlos Kurzweil. Este último é dono de um veículo Omega blindado que teria sido usado no transporte, de Campinas para São Paulo, de uma suposta doação de US$ 3 milhões do governo de Cuba ao PT, em 2002.Os dois parlamentares ficaram de levar novas fundamentações ao STF, na tentativa de cassar as duas liminares. Os processos foram redistribuídos e passaram agora a ser relatados pelo ministro Cesar Peluso. É pretensão dos dois senadores encaminhar a nova fundamentação para os pedidos de cassação de Okamoto e Kurzweil, depois do depoimento de hoje do empresário na CPI."Acredito que saímos concordando com aquilo que é importante, tanto para o Supremo como para a comissão", disse Efraim após o encontro com Nelson Jobim. "A CPI vai repassar todas as informações (ao STF), e acredito que teremos, com novos fundamentos, a suspensão das duas liminares".O senador relatou, ainda, ter pedido pressa a Jobim e avisado a ele que o atraso numa decisão do STF implicará a prorrogação dos trabalhos da CPI, cuja conclusão está prevista para 25 de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.