Eduardo Paes é eleito no Rio com vantagem de apenas 55 mil votos

Abstenção por causa do feriado de hoje foi maior nos bairros ricos onde Gabeira liderava

Rio, O Estadao de S.Paulo

27 Outubro 2008 | 00h00

Em eleição apertada, disputada voto a voto, o ex-tucano Eduardo Paes, agora no PMDB, foi eleito ontem prefeito do Rio, derrotando Fernando Gabeira (PV) com 50,83% do total de votos válidos. A vitória de Paes - graças aos votos dos eleitores de baixa renda do subúrbio - é resultado de uma ação direta do governador Sérgio Cabral, idealizador da candidatura e principal estrategista da campanha. O peemedebista também foi beneficiado pelo alto índice de abstenção, especialmente na zona sul, onde Gabeira era o preferido do eleitorado.A maior promessa de Paes, carioca de 38 anos, foi uma inédita parceria entre a prefeitura, o governo do Estado e o federal para, segundo ele, beneficiar a população pobre. O discurso ganhou força no segundo turno, quando o futuro prefeito conseguiu mensagem de apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, exibida à exaustão nos programas no horário eleitoral gratuito da TV. O peemedebista insistiu também no desconhecimento de Gabeira sobre a periferia da cidade.Paes venceu por uma diferença de apenas 55.225 votos. Com 100% das urnas apuradas, teve 1.696.195 votos. Gabeira obteve 49,17%, escolhido por 1.640. 970 eleitores. Houve 6,1% de votos nulos, 2,52% de brancos e abstenção de 20,25%, com mais de 927 mil eleitores que não compareceram às urnas. O índice de abstenção foi maior que a do primeiro turno, quando 17,91% não compareceram. Na reta final da campanha, Gabeira fez um apelo aos eleitores para que não viajassem no fim de semana, aproveitando o feriado do servidor público marcado para hoje pelo governador. Não foi suficiente. Em bairros como Copacabana, na zona sul, quase 30% dos eleitores não compareceram. Já nas zonas eleitorais de Campo Grande, na zona oeste, onde Paes tem ampla vantagem, a abstenção foi bem menor, de 14,67% e 16,28%.O resultado confirma a divisão da capital ao meio. De um lado, a periferia, com maioria de eleitores de renda e escolaridade baixas, que votou em peso em Paes. Do outro, a elite da zona sul e de parte da zona norte, eleitora de Gabeira. A diferença entre os dois candidatos ficou clara em bairros como Santa Cruz, na zona oeste, onde Paes teve 69,39% dos votos, contra apenas 30,61% do adversário. O candidato do PV teve a maior votação, com 75,86%, nos bairros de Jardim Botânico e Lagoa, que reúnem a alta classe média carioca. Ali Paes teve apenas 24,14%. Pela primeira vez em mais de 20 anos, o governador do Rio e o prefeito da capital serão aliados políticos. Para o prefeito Cesar Maia, a derrota foi dupla. No primeiro turno, sua candidata, Solange Amaral (DEM), ficou em sexto lugar. Na segunda etapa, Maia apoiou Gabeira. DECLARAÇÃONo primeiro pronunciamento como prefeito eleito, Paes dedicou a vitória a Cabral. Pouco antes das 20 horas, apareceu no portão de sua casa, na Barra da Tijuca, abraçado ao governador. Agradeceu também o apoio do presidente Lula, que gravou mensagem para seu programa de TV, apesar de sua atuação ácida na CPI dos Correios."Dedico essa vitória ao político que mudou o jeito de fazer política, o grande responsável por essa vitória, o governador Sérgio Cabral. O povo do Rio de Janeiro vai ter um trabalho de parceria entre o governo do Estado, prefeitura e governo federal, que vão trabalhar juntos. Agradeço muito ao presidente Lula, que teve a capacidade de vir junto com a gente, percebendo que o Rio está acima de qualquer coisa. O Rio vai melhorar, vai ficar muito melhor, com Eduardo Paes, Sérgio Cabral e o presidente Lula", disse Paes, abraçado ao governador. LUCIANA NUNES LEAL, WILSON TOSTA, ALEXANDRE RODRIGUES, SILVIO BARSETTI e MÁRCIA VIEIRAFRASEEduardo Paes (PMDB)Prefeito eleito do Rio"Agradeço muito ao presidente Lula, que teve a capacidade de vir junto com a gente, percebendo que o Rio está acima de qualquer coisa. O Rio vai ficar muito melhor, com Eduardo Paes, Sérgio Cabral e o presidente Lula"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.