Marcelo Chello/Estadão
Marcelo Chello/Estadão

Eduardo Leite e Tasso Jereissati planejam aliança para disputar prévias do PSDB

Governador gaúcho deve ter apoio de senador como candidato tucano contra Doria

Lauriberto Pompeu, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2021 | 11h51

BRASÍLIA - O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) planejam se unir no processo do partido que vai escolher um candidato para a eleição presidencial de 2022. Leite e Tasso jantaram juntos em Brasília na noite de terça-feira, 24, e conversaram sobre a ideia de apresentar somente uma candidatura nas prévias do PSDB, em vez de ambos se colocarem como opção da legenda. O partido vai escolher o candidato tucano ao Palácio do Planalto no dia 21 de novembro.

"A gente trabalha com a lógica de estarmos juntos. Não parece ser o caso de termos candidaturas que se enfrentem", afirmou o governador gaúcho ao Estadão.

Longe das atividades presenciais desde o início da pandemia do coronavírus, Tasso, que está vacinado com as duas doses da vacina contra a covid-19, voltou nesta semana a circular pela capital federal. Eduardo Leite marcou o encontro. "Aproveitei que ele viria e combinamos de conversar. Eu e ele temos uma excelente relação", disse Leite.

O processo interno de escolha do candidato presidencial do PSDB em 2022 tem como protagonistas Eduardo Leite e o governador de São Paulo, João Doria. O paulista já conquistou apoios importantes dentro da legenda, como o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Tasso também se apresenta como interessado na vaga, mas não tem viajado em busca de aliados para o processo interno, como fazem Doria e Leite. Nesta semana, o senador cearense divulgou uma nota afirmando que continua pré-candidato, mas não descartou desistir futuramente. "No dia em que eu tiver, se tiver de fazer algum anúncio, eu mesmo farei”, afirmou. Dentro do PSDB, a expectativa é que o senador apoie o governador gaúcho.

Em entrevista ao Roda Viva, Doria disse que Tasso havia abandonado a disputa interna, o que causou mal estar entre os tucanos e levou o senador a divulgar a nota. O governador, então, se desculpou, alegando que reproduziu a informação publicada por um colunista do site R7.  

Eduardo Leite afirmou que, em setembro, quando acontecerem as inscrições formais para o processo de prévias, não deve haver uma concorrência dele com Tasso. "Continuamos conversando eu e ele (Tasso) e espero que até as inscrições das prévias a gente tenha um entendimento. As inscrições devem ser agora, na segunda quinzena de setembro", explicou.

O governador ressaltou a proximidade com o senador e reforçou que a união entre os dois deve acontecer no processo interno do PSDB. "A gente tem muita afinidade, identidade, de pensarmos em um propósito maior, que é trazer o partido de volta para a sensatez", afirmou. "A responsabilidade que a gente tem com o País é maior que qualquer interesse ou inspiração pessoal de candidatura. Tenho convicção de que vamos ter um entendimento."

Em entrevista ao Estadão em abril, quando falou pela primeira vez sobre o interesse em ser o candidato do PSDB, Tasso fez vários elogios a Eduardo Leite. "Eu posso ajudar, acho até que tenho uma facilidade de diálogo", afirmou ao fazer referência à participação nas prévias. No entanto, logo depois, fez uma ressalva: "Isso não indica que seja eu o candidato. Tenho enorme admiração pelo governador Eduardo Leite".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.