Eduardo Jorge diz que pode ir ao Senado

O ex-ministro Eduardo Jorge Caldas Pereira disse há pouco ao presidente da Comissão de Fiscalização e Controle (CFC) do Senado, senador Ney Suassuna (PMDB-PB), que está disposto a comparecer perante a comissão, se isso for necessário para provar sua inocência perante o Senado.Eduardo Jorge, que foi secretário-geral da Presidência da República no primeiro governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, é suspeito de participação em desvios de recursos orçamentários destinados à obra de construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) em São Paulo."Com o maior prazer comparecerei ao Senado", disse o ex-ministro a Suassuna. O senador esclareceu que, além de Eduardo Jorge, poderá também convidar para comparecerem à CFC procuradores da República, que dariam esclarecimentos sobre as denúncias de suposto envolvimento do ex-ministro em desvios de recursos orçamentários."Como relator, tenho a obrigação de concluir as investigações no Senado", completou o presidente da CFC.O ex-ministro queixou-se do que considerou ataques à sua honra desferidos por procuradores da República, setores da oposição e da imprensa, com "prejuízos morais" à sua pessoa. Mas fez a ressalva de que se sentiu defendido pelo presidente Fernando Henrique, de quem foi auxiliar direto durante muitos anos."O presidente muitas vezes me defendeu, mas a imprensa não prestou muita atenção", disse o ex-ministro, ao deixar o Congresso, depois do encontro de meia hora com o senador Suassuna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.