Eduardo Jorge defende mudança imediata no Ministério Público

O ex-secretário-geral da Presidência da República Eduardo Jorge Caldas Pereira disse nesta sexta-feira que "alguns membros do Ministério Público Federal, protegidos pela impunidade, se comportam como marginais ou dementes". Ele defendeu uma imediata revisão dos "condicionantes institucionais em que opera o Ministério Público para pôr um fim à irresponsável exploração política dos que reiteradamente abusam de suas prerrogativas e amesquinham a imagem da instituição".Na quinta-feira, Eduardo Jorge teve seu nome excluído dos registros judiciais que tratam de inquérito da Polícia Federal sobre os destinatários dos recursos desviados das obras do Fórum Trabalhista de São Paulo. A decisão foi tomada pelo juiz Casem Mazloum, da 1.ª Vara Criminal Federal, que sustenta não existir "uma única prova, mesmo indiciária", contra o ex-secretário.Procuradores da República que investigam irregularidades no fórum disseram que vão decidir sobre eventual recurso contra a sentença judicial quando os autos chegarem ao Ministério Público.Eduardo Jorge condenou "os procedimentos investigativos abertos" pelo Ministério Público. O ex-secretário disse que ele familiares e amigos "foram atingidos em sua honra, dignidade e imagem por uma campanha que se alimentou do facciosismo político do desequilíbrio mental e psicológico e da abissal ausência de referências éticas em alguns membros do Ministério Público".Ele criticou procuradores que "reiteradamente desrespeitam proteção de sigilo documental e se utilizam de expedientes e chicanas para sonegar direitos constitucionais a investigados".Para Eduardo Jorge, "a politização e partidarização das iniciativas desses procuradores, a midiatização de suas condutas o impedimento de exame psicotécnico para ingresso na carreira de procurador e o silêncio corporativo frente às denúncias que recebem sobre seus pares são aspectos cujo enfrentamento não pode ser adiado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.