Eduardo Cunha entra com queixa-crime contra Frossard

O deputado reeleito Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ingressou no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma queixa-crime contra a deputada Denise Frossard (PPS-RJ), com base nos crimes de calúnia e difamação previstos na Lei de Imprensa. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira no site do STF. De acordo com o órgão federal, na ação, autuada como Inquérito, o parlamentar alega que Frossard, durante o período em que disputou o governo do Rio o "acusou de ter causado rombo nas contas da CEDAE (Companhia de Águas e Esgoto) do Rio de Janeiro e em seu fundo de pensão - PRECE Previdência Complementar". Segundo o STF, os fatos descritos na ação teriam ocorrido em um debate ao vivo realizado em TV aberta entre os candidatos Sérgio Cabral e Denise Frossard, às vésperas do segundo turno da eleição para o governo estadual. De acordo com a ação, durante o debate a deputada teria perguntado ao então senador e candidato Sérgio Cabral (PMDB) se ele faria uma auditoria na CEDAE e na PRECE durante a gestão de Eduardo Cunha, para apurar suposto rombo de R$ 300 milhões. De acordo com o STF, Cunha informa na ação que fez uma interpelação judicial com pedido de explicações da deputada Denise Frossard e afirma que ela "optou pelo silêncio", razão pela qual teria decidido apresentar a queixa-crime. O deputado pede que o STF receba a queixa-crime para que a parlamentar responda a processo por crimes contra a honra com base na Lei de Imprensa.

Agencia Estado,

11 Janeiro 2007 | 20h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.