Eduardo Campos repete gesto de Lula e visita favela

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, (PSB), levou todo o seu secretariado nesta quarta-feira para ver de perto um retrato da miséria em que vive parte da população pernambucana: a Ilha de Deus, uma ilha fluvial localizada numa área de esgoto a céu aberto, entre os bairros do Pina e da Imbiribeira. "Estou cumprindo uma promessa de campanha e o compromisso de ouvir da população os reclamos, as sugestões", disse o governador ao classificar a Ilha como "uma área símbolo pelo grau de exclusão".Ele visitou o local, onde 500 famílias moram em barracos e palafitas e têm contato com o continente através de uma deteriorada e perigosa passarela de pedestres de madeira, no seu primeiro evento de campanha eleitoral, no dia sete de julho. Prometeu voltar se eleito. Entre os presidenciáveis, Heloísa Helena (P-SOL) foi a única a fazer campanha no local.A visita do governador repetiu o gesto do presidente Lula que no início do primeiro mandato levou o ministério para conhecer o bairro de Brasília Teimosa, no Pina, zona sul da cidade, área tomada pelas palafitas. Hoje no lugar das palafitas, os moradores do local têm uma orla com avenida, quiosques e quadras de esportes.Campos assegurou que o Estado tem recursos no orçamento para urbanização e disse estar captando mais recursos junto ao BNDES para linhas de saneamento. Prometeu, a exemplo do presidente aliado, "uma ação integrada de governo" no local. De efetivo, o prefeito do Recife, João Paulo (PT), que o acompanhou, anunciou a construção de uma nova passarela, de concreto, a um custo de R$ 500 mil.Os moradores receberam o governador com muitos cartazes reivindicatórios e um grupo local de teatro popular encenou uma peça mostrando cenas de violência urbana e contra a mulher, que fazem parte da sua realidade. A maioria dos habitantes vive da pesca de mariscos e caranguejos. Algumas famílias cultivam camarão em viveiros em meio a total degradação ambiental.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.