André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Eduardo Campos e Marina Silva vão se reunir nesta tarde

Governador de Pernambuco vai tratar de possível filiação da ex-senadora ao PSB

João Domingos, O Estado de S. Paulo,

05 de outubro de 2013 | 10h28

BRASÍLIA - A ex-senadora Marina Silva deve anunciar neste sábado, 5, se vai se filiar a outro partido político e disputar a Presidência da República em 2014, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negar o registro a seu partido, Rede. Nesta manhã, o grupo da ex-senadora discute termos de um acordo eleitoral com dirigentes do PPS.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), está a caminho de Brasília para se reunir com Marina nesta tarde e discutir a possível filiação dela ao partido.

Divisões profundas no grupo envolvido no processo de criação da Rede Sustentabilidade fizeram com que Marina adiasse a decisão de sair ou não candidata para este sábado. Assediada por outras legendas para disputar a Presidência, Marina viu a sua base rachar.

Integrantes da Rede afirmam que nas consultas realizadas em reuniões e com uso de videoconferências a maioria dos "marineiros" optou contra a candidatura. Políticos profissionais envolvidos no projeto de criação da Rede, porém, a pressionam a disputar em 2014. O prazo final para filiação é este sábado.

A indefinição sobre o futuro deriva da própria forma de organização do grupo. Com militantes de variadas origens, a Rede tem como ideal o que chamam de "consenso progressivo", no qual os debates têm de resultar numa decisão unânime.

A primeira das reuniões para debater a possível candidatura, por exemplo, durou seis horas e se estendeu até a madrugada de sexta-feira. Foi entremeada por discussões ásperas e terminou longe de um encaminhamento. Irritado, o deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ) discutiu com Marina e em texto publicado nesta sexta em seu blog classificou de "caótico" o processo decisório.

Na entrevista concedida sexta-feira para anunciar que "continua pensando", Marina afirmou que as discussões na Rede são "saudáveis" e que há um "manejo sustentável das ideias". Questionada se era possível chegar a uma decisão em dois dias de debate, Marina respondeu que "com sustentabilidade política fica mais fácil".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.