REUTERS / Kevin Lamarque
REUTERS / Kevin Lamarque

Eduardo Bolsonaro viajará aos EUA para ‘agradecer’ Trump por atuação no G-7

Deputado afirmou que estará ao lado do ministro Ernesto Araújo durante a viagem e que o peso do norte-americano no G-7 é ‘essencial’

Julia Lindner e Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2019 | 17h10

BRASÍLIA – O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) viajará nesta quinta-feira, 29, aos Estados Unidos com o chanceler Ernesto Araújo para uma reunião com o presidente americano, Donald Trump, nesta sexta-feira, 30. O anúncio foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro durante evento no Palácio do Planalto para lançar o programa "Em frente Brasil".

Durante a cerimônia, o presidente Jair Bolsonaro fez um agradecimento ao presidente dos EUA por ter feito a “defesa” do Brasil durante a reunião mais recente dos países que formam o G7, no último final de semana. Ele disse que o governo vai se aproximar cada vez mais de países “que servem de exemplo”. “Espero que Ernesto e Eduardo sejam bem-sucedidos na viagem. Que nós devemos e vamos, como mudou a direção, nos aproximar de países que servem de exemplo para nós”, discursou Bolsonaro.

Após o evento, Eduardo afirmou que falará com Trump sobre o último encontro dos países que formam o G7 e questões envolvendo a região amazônica. “Trump dá muita abertura, então certamente a gente vai entrar nessas questões”, disse Eduardo. “Estarei ao lado do ministro Ernesto fazendo agradecimento como deputado porque o peso do norte-americano dentro do G7 é essencial.”

Para Eduardo, o fim da reunião do G7 deixou claro que o presidente francês, Emmanuel Macron, tentou usar a Amazônia para fins políticos.“Macron acabou não tendo êxito”, avaliou.

Questionado se ele também trataria da sua indicação para a Embaixada do Brasil em Washington com Trump, que ainda precisa passar pelo Senado Federal, Eduardo disse que essa é uma questão para conversar com os senadores.“Tenho que falar com senadores. Já tenho apoio dos EUA através do agrément, agora quem vai decidir são os senadores”, respondeu.

Sobre a possibilidade da viagem reforçar a boa relação que tem com Trump justamente para convencer os senadores, Eduardo avaliou que “a boa relação já é notória”. “Os senadores sabem dessa boa relação. Trump fez publicamente o meu agrément.”

Encontro entre Trump e Eduardo foi discutido nos bastidores

O encontro entre Trump e Eduardo Bolsonaro começou a ser discutido nos bastidores desde que o presidente americano telefonou para o presidente Bolsonaro, na semana passada, para oferecer ajuda para combater as queimadas na Amazônia. Depois disso, o Brasil avaliou que os EUA defenderam a posição brasileiros no G-7, na França.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca chegou a dizer que os EUA não concordaram com a posição do G-7 de debater a situação da Amazônia sem a presença do Brasil. “A maneira mais construtiva de ajudar os esforços do Brasil está na coordenação com o governo brasileiro”, afirmou no Twitter o porta-voz, Garrett Marquis.

O encontro de Eduardo e Araújo com Trump deve acontecer por volta das 14h (horário de Brasília). Depois, a comitiva brasileira deve falar com à imprensa. O assessor do Planalto para Assuntos Internacionais estará presente na viagem. Todos embarcam na noite desta quinta-feira e devem voltar ao Brasil na própria sexta-feira. 

Na semana do dia 8 de agosto, a comitiva brasileira volta a Washington, quando há um encontro marcado entre o secretário de Estado Mike Pompeo e o chanceler Ernesto Araújo. /COLABOROU BEATRIZ BULLA, CORRESPONDENTE EM WASHINGTON 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.