Edilson Rodrigues/Agência Estado
Edilson Rodrigues/Agência Estado

Eduardo Bolsonaro e Alessandro Vieira trocam farpas sobre armas

Provocado, Alessandro Vieira disse que não representava 'interesses de miliciano'; o deputado federal Eduardo Bolsonaro havia chamado o senador de 'o mais atuante desarmamentista do Congresso'

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2022 | 13h08

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) e o senador e delegado Alessandro Vieira (PSDB-SE) trocaram acusações nesta quarta-feira, 6, pelo Twitter, sobre o PL 3723/2019, que prevê flexibilização do registro, posse e comercialização de armas de fogo e munições para a sociedade civil.

O filho 03 do presidente começou a provocação ao afirmar que o delegado seria “o mais atuante desarmamentista do Congresso". “Porte para ele, desarmamento para você”, escreveu.

Em resposta, Vieira pediu que o deputado lesse o texto do projeto de lei e o chamou de “preguiçoso”. “A nossa proposta protege os CACs (colecionadores, atiradores desportivos e caçadores) e atende aos interesses reais da Segurança Pública e dos brasileiros que desejam ter acesso a armas de fogo. Só não atende aos interesses de miliciano e fabricante de arma, mas não represento essa turma”, justificou.

Além de alterar a situação de armamento para sociedade civil, o PL 3723/2019, de criação do senador Marcos do Val (Podemos - ES), prevê regular a atividade de colecionadores, atiradores esportivos e caçadores, os CACs. A proposta foi apresentada em dezembro de 2019 e segue em tramitação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado. 

Depois do embate, Vieira defendeu "critérios claros" e fiscalização bem feita". No Brasil de hoje, qualquer posicionamento equilibrado, sobre qualquer tema, gera reações baseadas em ataques e mentiras. Desta vez é sobre armas. Minha posição é clara: defendo sim uma flexibilização para acesso, porte e posse, mas com critérios claros e fiscalização bem feita”, disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.