Edmar deve ser alvo de processo por falta de decoro

O deputado mineiro Edmar Moreira (sem partido), dono de castelo em Minas, deverá sofrer processo por falta de decoro parlamentar no Conselho de Ética da Câmara. Motivo: o deputado apresentou notas fiscais eletrônicas de pelo menos duas empresas de segurança ligadas a ele - Ronda Ltda. e Itatiaia Ltda. - na prestação de contas do uso da verba indenizatória de R$ 15 mil mensais, conforme divulgou o Estado ontem.

AE, Agencia Estado

14 de março de 2009 | 08h43

Na quarta-feira, Moreira vai apresentar sua defesa oral à Corregedoria da Câmara e à comissão de sindicância que investiga se as notas fiscais que comprovam os gastos mensais com segurança foram usadas para encobrir o uso de toda a verba indenizatória como se fosse um segundo salário.

Na avaliação dos integrantes da comissão, Moreira só tem chances de escapar de um processo no Conselho de Ética caso consiga provar que precisava de um forte esquema de segurança por sofrer ameaças de vida. Ele gastou R$ 236 mil da verba indenizatória de 2007 e 2008 com segurança. O valor é equivalente a 68,4% dos R$ 365 mil gastos no período. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
CâmaraEdmar Moreiraprocesso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.