Editor é condenado por tentar extorquir Sarney

A Justiça Federal do Pará condenou a um ano e quatro meses de prisão o editor paraense Arnaldo Villar Pantoja, acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de tentar extorquir o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).De acordo com a acusação, Pantoja exigiu vantagem financeira para não divulgar supostos escândalos envolvendo a família Sarney. Esses escândalos estariam contidos em um livro que Pantoja supostamente publicaria.Na sentença, o juiz da 3ª Vara Federal de Belém, Rubens Rollo D´Oliveira, transformou a pena de prisão em prestação de serviços à comunidade em hospitais públicos, considerando que Pantoja é réu primário e possui bons antecedentes. A pena máxima por extorsão é de 12 anos, mas o juiz entendeu que o acusado praticou apenas a tentativa de extorsão, já que o ato não se consumou.Para a procuradora da República Daniela Batista, autora do recurso, o acusado deveria ser condenado não pela simples tentativa, mas pela extorsão em si. O Ministério Público Federal, por sua vez, anunciou que irá recorrer da sentença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.