Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo espera que Cunha tenha todas as condições de defesa, diz Edinho

Ministro da Secretaria da Comunicação Social da Presidência diz esperar que Planalto espera que a situação se resolva logo, para que a "paz" e "estabilidade política" necessárias para aprovação do ajuste fiscal sejam retomadas

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

09 Novembro 2015 | 13h14

BRASÍLIA - O ministro da Secretaria da Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva, evitou comentar, nesta segunda-feira, 9, a defesa apresentada à imprensa pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para as acusações de lavagem de dinheiro, ocultação de bens e evasão de divisas. O ministro disse esperar que o peemedebista "tenha todas as condições de fazer sua defesa" formal e destacou que o governo espera que a situação se resolva logo, para que a "paz" e "estabilidade política" necessárias para aprovação do ajuste fiscal sejam retomadas.

"Espero que o presidente da Câmara tenha todas condições de fazer a sua defesa, que ele possa se utilizar de todo o nosso aparato legal, que é o princípio do contraditório", afirmou em entrevista após a reunião de coordenação política. "O governo espera que o Brasil possa caminhar com estabilidade política e, evidentemente, sem estabilidade política fica muito difícil aprovarmos as medidas econômicas." O discurso vai na linha de não agressão a Cunha que o Planalto vem defendendo. A estratégia é não provocar o presidente da Câmara para evitar eventuais retaliações nas votações no Congresso.

Em entrevista a veículos de comunicação na última sexta-feira, 7, Cunha admitiu ser o beneficiário de recursos que estavam em contas na Suíça, mas negou ser dono das contas. O peemedebista afirmou que o dinheiro é oriundo de lucro com operações no mercado financeiro e atividades praticadas por ele na década de 1980, antes de entrar na política, como a venda de carne enlatada para a África. Segundo ele, o dinheiro passou a ser administrado por trustes (entidades que administram bens e recursos), dos quais é beneficiário.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.