ECT defende legalidade de contrato citado em denúncia

A Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) divulgou nota de esclarecimento em relação à reportagem veiculada pela revista Veja no último final de semana - e por outros veículos de comunicação hoje - sobre um suposto esquema de tráfico de influência envolvendo a ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, e seu filho, Israel Guerra. A estatal informou que os contratos com a Master Top Airlines, citada no suposto esquema, resultam de "processos licitatórios regulares e transparentes".

KARLA MENDES, Agência Estado

13 de setembro de 2010 | 20h27

No comunicado, a ECT ainda afirma que o valor desses contratos soma R$ 59.884.179, e não R$ 84 milhões, como publicado na reportagem. De acordo com a nota, os contratos em questão estão disponíveis para consulta na página dos Correios na internet (www.correios.com.br). "A transparência dos Correios e a busca contínua pela melhoria dos serviços fazem com que a ECT seja hoje a maior empresa de logística da América do Sul, com a distribuição diária de 34 milhões de objetos em todo o Brasil."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.