Economista cobra detalhes em plano do PT

O economista Raul Velloso avalia que a versão preliminar do programa de governo do PT é "um conjunto de boas intenções, que deixa, porém, várias lacunas para serem preenchidas". Ele lembra, por exemplo, que as questões mais fundamentais hoje, como câmbio, juros, política fiscal e reforma tributária são apenas pinceladas no programa. "Faltam detalhes importantes para que o conjunto seja avaliado", diz Velloso. O economista acredita que a versão preliminar do programa do PT deve ser analisada mais como uma agenda mínima do que como um programa de governo. "Não fica claro como resolver o dilema de manter o sistema de metas de inflação, aumentando os gastos públicos em investimentos sociais sem dizer exatamente de onde virá o dinheiro e como conciliar esse dilema", afirma Velloso. O economista - especialista na área de gastos públicos e tributária - cita ainda que a versão premilinar do programa de governo do PT prevê mudanças em impostos, também sem entrar muito em detalhes. Velloso também achou conflitante a disposição de aderir ao Mercosul, mas não à Alca. "Essa é outra questão, muito mais de mercado. Se o Mercosul ficar inviabilizado pelo diferente modelo cambial do Brasil e Argentina, só restará mesmo a adesão à Alca", lembra o economista. Velloso ressalta que prefere esperar a versão final do programa do PT para fazer uma avaliação mais completa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.