Economia de R$ 20 em remédio pode ter causado cegueira

Uma economia de cerca de R$ 20,00 pode ter causado perda da visão em pacientes submetidos a cirurgias de catarata no Rio. O delegado Renato Nunes, titular da Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Saúde Pública, disse nesta segunda-feira ter recebido informações de que a distribuidora Medphacos, de Belo Horizonte, revendia a solução Methyl Lens Hypak 2%, produzida clandestinamente em Campinas, por "menos da metade do preço de um produto semelhante registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)". O preço do Methyl Lens, suspeito de ter causado cegueira em pelo menos dez pessoas no Rio, é de R$ 22,00.Intimado pelo delegado, o diretor-presidente da Medphacos, Marcelo Soares, não compareceu hoje à delegacia para prestar depoimento. Ele será intimado amanhã novamente. Os diretores de hospitais que compraram a solução também serão ouvidos pelo delegado. Nunes disse que a polícia de São Paulo e a Polícia Federal estão em busca dos donos do laboratório de Campinas Lens Surgical Oftalmologia, que produzia e vendia o Methyl Lens Hypak sem licença.Em inspeção na distribuidora, os fiscais da agência descobriram que, mesmo depois de a comercialização do produto ser proibida, a Medphacos continuou vendendo a solução para hospitais. Leonardo Paolucci, diretor da distribuidora, negou hoje que isso tenha ocorrido. Segundo ele, a Medphacos continuou vendendo metilcelulose de outras marcas, e não o Methyl Lens.A Anvisa informa ter descoberto que 69 unidades de saúde de 12 Estados (PE, PI, SP, CE, AM, RJ, ES, MG, MT, PA, PR e RN) teriam adquirido o produto Methyl Lens 2%, sendo que 12 transações comerciais teriam ocorrido depois de 6 de fevereiro, data da publicação da resolução que determinou a apreensão do produto em todo o território nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.