Economia de energia no NE cai à metade

A economia de energia no Nordeste caiu a menos da metade da meta de 20% fixada para a região, no plano de racionamento. O índice atingiu apenas 9,5%, trazendo a média do mês para apenas 13,3%. O armazenamento de água nos reservatórios da região ficou em 7,38%, apresentando uma melhoria de apenas 0,01 ponto porcentual em relação à véspera. Este índice está 2,38 pontos acima da curva-guia, mas isso não altera a preocupação das autoridades responsáveis pelo setor, conforme explicou o presidente da Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE), ministro Pedro Parente, em entrevista à Voz do Brasil, ontem à noite. Ele afirmou que a curva-guia está muito baixa e fez um apelo à população nordestina para que se empenhe na economia, pois ela está caindo até mesmo nos feriados. Parente lembrou que as demais regiões já estão transferindo toda a energia possível para o Nordeste e disse que as chuvas, embora tenham começado bem em novembro, reduziram-se ao longo do mês. Em conseqüência desse quadro, "o Nordeste não poderá ter o mesmo tipo de alívio que será possível nas demais regiões", conforme disse Pedro Parente. Os novos índices de racionamento, que começaram a ser discutidos hoje pela GCE, deverão ser anunciados amanhã, após reunião dos membros do GCE que contará com a participação do presidente Fernando Henrique Cardoso, às 11 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.