EBC aplica penalidade a funcionário que fez postagem de Temer e exonera chefe do portal

Em nota, a empresa afirmou que 'a partir da conclusão dos trabalhos, o Diretor-Presidente decidiu pela aplicação da penalidade disciplinar correspondente à gravidade do ocorrido, alinhado ao entendimento firmado pela Procuradoria Jurídica, com base nos normativos internos da Empresa'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2016 | 18h26

BRASÍLIA - Depois de uma postagem na conta oficial da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) no Twitter ironizando o presidente em exercício Michel Temer, o diretor-presidente da estatal, Ricardo Melo, abriu sindicância para apurar o caso e exonerou a chefe do portal da empresa. Segundo a estatal, os trabalhos da sindicância foram "abreviados" já que o empregado responsável pela postagem assumiu a autoria.

Em nota, a empresa afirmou que "a partir da conclusão dos trabalhos, o Diretor-Presidente decidiu pela aplicação da penalidade disciplinar correspondente à gravidade do ocorrido, alinhado ao entendimento firmado pela Procuradoria Jurídica, com base nos normativos internos da Empresa", disse.

O funcionário que assumiu a autoria da postagem pertence ao quadro permanente da Empresa. Sua identidade e a punição não foram revelados. Segundo uma fonte com acesso a direção da estatal, dentro das normas previstas estão três tipos de punição: advertência, que seria a mais leve; demissão; a consequência mais pesada; e a suspensão.

Ainda de acordo com a nota, Melo orientou todos os gestores a reforçarem medidas de controle "para evitar a repetição de casos da mesma natureza".

Troca. A polêmica também culminou com a troca do comando do portal da empresa. De acordo com portaria interna assinada por Melo, Lídia Gurgel Neves deixou o cargo de Gerente Executiva de Web e Novas Mídias, que ocupava interinamente. Para seu lugar, o presidente da EBC nomeou em outra portaria Allan Walbert Nascimento dos Santos. Os dois, tanto Lidia como Allan, segundo apurou o Broadcast, eram servidores da casa. Santos antes era coordenador de edição e otimização de conteúdo.

Em mais um capítulo da guerra da equipe da estatal nomeada pela presidente afastada Dilma Rousseff e o governo peemedebista ontem o twitter oficial da EBC publicou uma ironia a Temer. "Quando a pessoa escolhe passar vergonha… Planalto confirma Temer na abertura da Rio 2016", afirmava a publicação, que foi deletada na sequência, e trazia junto o link de uma matéria da Agência Brasil sobre o tema.

Pouco depois, em nota, o diretor-presidente da EBC, Ricardo Melo, considerou a postagem "inadmissível" e enfatizou que ela não representava a posição da empresa. 

A postagem, feita pouco antes das 11h desta quinta-feira, irritou o Palácio do Planalto, que vem realizando grandes mudanças e o desaparelhamento da empresa e já manifestou até a intenção de extingui-la. Coube ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, comentar o episódio oficialmente. "Antes do presidente Temer, tentaram, mudando estatuto e direção, 'desmantelar' a EBC. Erraram. Breve voltará ao normal", disse o ministro, também pelo seu twitter, no primeiro post. Padilha acrescentou ainda que "a EBC não será aparelho partidário. Será motivo de orgulho de seus funcionários e respeito e confiança dos brasileiros".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.